segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Governo Dilma está certo em perseguir um crescimento de 4% em 2011 e em 2012! - por Marcos Doniseti!

Governo Dilma está certo em perseguir um crescimento de 4% em 2011 e em 2012! - por Marcos Doniseti.

Entendo que o governo de Dilma está absolutamente correto em sua decisão de tentar manter a economia crescendo a um ritmo de 4% ao ano neste e no próximo ano. E por vários motivos:

A inflação não está muito acima do teto da meta, não, que é de 6,5% ao ano e os dados mais recentes mostram queda da mesma.

As metas de inflação variam de 2,5% (piso) a 6,5% ao ano (teto) justamente para absorver os efeitos das crises e mudanças que ocorrem na economia mundial.

Além disso, a própria redução do crescimento econômico mundial irá colaborar para reduzir a inflação no Brasil. Uma das consequências da crise global deverá ser a redução dos preços das commodities exportadas pelo Brasil. E isso diminuirá a inflação no mundo inteiro, incluindo o Brasil.

Assim, com uma inflação menor, a taxa Selic também poderá ser reduzida.

E com um crescimento de 4% ao ano, além de não termos problemas nas contas externas (afinal, o déficit é financiado sem maiores dificuldades e o país já tem reservas internacionais superiores a US$ 350 bilhões), a inflação ficará sob controle e o país continuará gerando novos empregos e permitindo as melhorias dos salários dos trabalhadores.

E com um crescimento de 4% ao ano, a arrecadação de impostos do governo continuará aumentando, permitindo a manutenção dos programas de investimentos, como o PAC 1 e 2, o Minha Casa Minha Vida 1 e 2, e reduzindo a relação dívida/PIB.

Portanto, a continuidade do crescimento também irá colaborar para manter as contas públicas sob controle sem que seja necessário reduzir os gastos públicos.

Com tudo isso, o mercado interno brasileiro continuará vigoroso e puxando o crescimento do país em um momento de forte retração da economia dos países ricos, que deverão ficar estagnados por muito tempo, ainda, o que irá prejudicar as nossas exportações, até porque os preços das commodities deverão cair nos próximos anos, à medida que a estagnação dos países ricos se confirmar.

Com os EUA, a União Européia e o Japão estagnados, não há como o comércio internacional continuar crescendo no mesmo ritmo de antes desta recente crise que, na verdade, é continuação da crise de 2008 e que ainda está muito longe de terminar.

Logo, o governo Dilma está mais do que certo em perseguir um crescimento econômico de 4% em 2011 e em 2012.

Nenhum comentário: