domingo, 8 de janeiro de 2012

Por que me orgulho da transformação do Brasil na 6a. maior economia mundial! - por Marcos Doniseti!

Por que me orgulho da transformação do Brasil na 6a. maior economia mundial! - por Marcos Doniseti!


Por mais incrível que possa parecer, muitas pessoas receberam de uma maneira um tanto quanto envergonhada o fato do Brasil ter ultrapassado o Reino Unido e  subido para a condição de 6a. maior economia do mundo.

Em qualquer outro país que atingisse essa posição, tenho certeza de que o seu governo e a sua população tratariam de festejar e de comemorar essa importante conquista.

Mas, aqui no Brasil isso não aconteceu. Cheguei até mesmo a ler comentários totalmente ridículos na Internet, de pessoas dizendo que qualquer um que comemorasse tal fato estaria adotando uma postura direitista.

Assim, segundo tais pessoas, ser de esquerda é torcer para que o Brasil fique cada vez mais pobre e que o seu povo morra de fome. É a famosa e estúpida política do 'quanto pior, melhor'., que parece ter muitos seguidores, ainda, infelizmente. Patético!

Porém, não vejo nenhum motivo para que nós, brasileiros, tenhamos que nos envergonhar desse fato, muito pelo contrário. Temos motivos de sobra para nos orgulharmos dessa importante conquista. E é sobre estes motivos que irei comentá-los, a partir de agora. Vamos lá, então:


Quando Lula tomou posse na presidência da República, em 01 de Janeiro de 2003, ele assumiu um país que, naquele momento, se encontrava apenas na 12a. posição no ranking das maiores economias do mundo. Mesmo na América Latina, o México havia ultrapassado o Brasil e tinha se tornado a maior economia da região.

E isso aconteceu, fundamentalmente, porque o governo FHC fracassou na sua tarefa de promover o crescimento econômico e de gerar empregos.

Em seus 8 anos de mandato, a taxa média de crescimento econômico não passou de 2,3% ao ano e a taxa de desemprego aumentou 60%, terminando o ano de 2002 em 10,5%. E o número de desempregados cresceu em 120%.

Portanto, a ausência de crescimento econômico gerou um elevadíssimo índice de desemprego e, é claro, isso contribuiu decisivamente para o arrocho salarial, o aumento da pobreza e da miséria, bem como para a manutenção de gigantescas desigualdades sociais no país durante o governo tucano.

Foi somente a partir do governo Lula que essa situação de estagnação econômica do país se modificou e isso está diretamente relacionado às políticas adotadas pelo mesmo.

As políticas implementadas pelo governo Lula promoveram uma significativa melhoria na renda da população mais pobre. Entre as principais mudanças está o fato de que os rendimentos dos setores mais pobres cresceram de forma 5 vezes mais rápida do que a renda dos mais ricos. E isso ocorreu por vários motivos.

O salário mínimo, por exemplo, subiu 66% acima da inflação entre 2003-2011. E segundo o Dieese, temos cerca de 48 milhões de pessoas cujos rendimentos estão atrelados ao valor do salário mínimo.

Logo, quando este sobe acima da inflação (como tem acontecido todos os anos, desde 2003), uma população equivalente à soma das populações de Argentina, Uruguai e Paraguai se beneficia com isso.

E sempre é bom lembrar que a atual política de aumento real do salário mínimo, que prevê aumentos reais todos os anos, é resultado das lutas do movimento sindical brasileiro, que já há muitos anos reivindicava uma política permanente de valorização do salário mínimo e que acabou sendo criada e colocada em prática a partir do governo Lula. E tal política foi renovada no governo Dilma.

Assim, todos os anos, o salário mínimo será reajustado a partir da soma do crescimento do PIB de dois anos anteriores com a taxa de inflação do ano anterior. Por isso é que, em 2011, o salário mínimo teve um reajuste de 14,13% bem acima da inflação acumulada no ano passado, que fechou em 6,5% (IPCA). 


Com isso, a população mais pobre passou a consumir muito mais e isso puxou o crescimento econômico do país para cima. A taxa de crescimento econômico do país dobrou no governo Lula, passando de 2,3% ao ano (entre 1995-2002) para 4,6% ao ano entre 2003-2010.

O número de empregos com carteira assinada, por sua vez, chegou a 15 milhões durante os 8 anos de governo Lula, contra cerca de 5 milhões nos 8 anos de governo FHC. Como resultado disso, a taxa de desemprego caiu pela metade durante o governo Lula, caindo para 5,3% em Dezembro de 2010. Em Novembro de 2011 ela atingiu um nível ainda menor, caindo para 5,2%, que é a menor taxa da história brasileira recente.

A taxa de inflação, no Brasil, também acumulou uma queda significativa durante o governo Lula. Em 2002, ela foi de 12,5%. Já em 2010 ela fechou em 5,9%, menos da metade, portanto. E quanto menor a inflação, melhor para os mais pobres, pois a renda deles não é corroída, que é o que acontece quando a inflação é muito alta.

Assim, a redução da taxa de inflação também colaborou para essas melhorias econômicas e sociais sensíveis que tivemos no Brasil nos últimos anos.

Os trabalhadores brasileiros também conseguiram significativos aumentos reais de salários, mesmo no setor privado da economia. Segundo o Dieese, em 2010, 89% das categorias de trabalhadores conseguiram aumentos reais de salários.

Os gastos sociais também cresceram muito nos últimos 15 anos, aumentando 146% entre 1995-2009, e passaram de 11,2% do PIB para 15,8% do PIB neste período. E é claro que eles contribuem para melhorar a distribuição de renda no país e, portanto, aumentar o mercado consumidor do país.

Os investimentos públicos, por sua vez, passaram de 1,5% do PIB, em 2003, para 2,9% do PIB em 2010, acumulando um crescimento real de 93,3% durante o governo Lula, portanto. E a taxa de investimento na economia brasileira chegou a 20% do PIB no 3o. trimestre de 2011, segundo o IBGE.

Como resultado dessas melhorias significativas que tivemos no Brasil nos últimos que, segundo a FGV, 50 milhões de brasileiros entraram para o mercado consumidor durante o governo Lula. E foi como resultado deste processo que, entre outros avanços econômicos e sociais alcançados neste período, o Brasil se tornou o 3o. maior mercado mundial de computadores e o 5o. maior mercado mundial de automóveis.

A participação da renda do trabalho na renda nacional, segundo o IPEA, cresceu 14%, a partir de 2004. E de acordo com a FGV, a renda dos 50% mais pobres cresceu quase 68% entre Dezembro de 2000 e Dezembro de 2010, enquanto que no mesmo período de tempo a renda dos 10% mais ricos cresceu apenas 10%.


E segundo a mesma FGV, o índice de pobreza foi reduzido em 50,64% durante o governo Lula. Já segundo o IPEA, a renda média real subiu 28% e o o número de pobres diminuiu em 26 milhões entre 2004 e 2009.

Portanto, houve uma clara melhoria na distribuição de renda e um aumento dos investimentos produtivos (publicos e privados) no Brasil nos últimos anos e foi justamente isso que levou o país a iniciar um novo ciclo de crescimento econômico a partir de 2004.

Desta maneira, foi graças a esse crescimento, que se deu nas áreas econômica e social, que o Brasil se tornou a 6a. maior economia do mundo, com um PIB em torno de US$ 2,5 trilhões em 2011.

E é muito bom lembrar que, em 2002, o PIB brasileiro foi de apenas US$ 460 bilhões. Portanto, o crescimento do PIB brasileiro em dólares foi de 443,5% durante o período 2003-2011, e já se projeta que ele se tornará o 5o. maior do mundo, ultrapassando o PIB da França, no máximo, até 2015.

Alguns estudos apontam, também, para a possibilidade de que a economia do Brasil ultrapasse a da Alemanha, até 2020, passando a possuir uma economia maior do que a de qualquer país europeu.

Todo esse processo de crescimento econômico e de ampliação do mercado consumidor brasileiro somente se desenvolveu graças às políticas de distribuição de renda colocadas em prática pelo governo Lula, ao mesmo tempo que se promovia uma retomada da taxa de investimentos da economia brasileira, bem como dos investimentos públicos. Os gastos sociais públicos também cresceram de forma significativa nos últimos anos.

E sabe o que é incrível, neste processo de crescimento econômico brasileiro, que começa em 2004? É que os dados mais recentes mostram que o desmatamento da Floresta Amazônica caiu para o menor patamar da história entre Agosto de 2010 e Julho de 2011.

Assim, e ao contrário do que dizem os ambientalistas xiitas, o crescimento econômico do país não está se processando às custas da destruição da naturez, muito pelo contrário.

Portanto, foi devido à este conjunto de políticas implementadas durante o governo Lula, que promoveram uma melhoria inegável da distribuição de renda, bem como a retomada dos investimentos, públicos e privados, que o Brasil cresceu tanto a ponto de se tornar a 6a. maior economia mundial já em 2011.

Assim, este novo processo de crescimento econômico do Brasil não se deu, como acontecia antigamente, através de arrocho salarial ou de aumento da concentração de renda e das desigualdades O modelo de crescimento baseado no aumento da concentração de renda foi o adotado, por exemplo, na época da Ditadura Militar de 1964-1985, quando o salário mínimo e os salários reais dos trabalhadores tiveram uma queda substancial.

Agora, o crescimento do país se dá por motivos inversos ao dos períodos históricos anteriores e é por isso que o mesmo contribui, de forma decisiva, para a redução da pobreza e da miséria para patamares que nunca tínhamos atingido anteriormente.

É verdade que o Brasil enfrenta muitos e graves problemas sociais. Ninguém é louco de negar isso. Porém, estamos vivendo um ciclo histórico no qual estes problemas começaram a ser amenizados e resolvidos. Abrimos várias estradas que podem nos levar a construir, nas próximas décadas, uma Nação muito mais rica, mas também muito mais justa e igualitária do que a atual. O caminho já foi descoberto. Resta, agora, dar continuidade e aprofundar este processo de transformações econômicas e sociais que estão, inegavelmente, melhorando as condições de vida do povo brasileiro.

Logo, existem motivos de sobra para que os brasileiros se orgulhem desta grande conquista, pois ao contrário do que muitos pensam, foi a implantação de políticas que promoveram uma melhora sensível na distribuição de renda no país e que geraram melhorias significativas das condições de vida do povo brasileiro que criaram as condições para que se iniciasse um novo ciclo de crescimento econômico na história do país.


Links:

Brasil ultrapassa Reino Unido e se torna a 6a. maior economia mundial:

http://www.istoe.com.br/reportagens/184334_BRASIL+ULTRAPASSA+REINO+UNIDO+E+SE+TORNA+6+ECONOMIA+DO+MUNDO

Governo Lula criou 15 milhões de empregos formais:

http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_secao=2&id_noticia=145686

Participação da renda do trabalho na renda nacional aumentou 14% entre 2004-2010:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-08-04/participacao-do-trabalho-na-renda-nacional-cresceu-14-entre-2004-e-2010-diz-ipea

Taxa de investimento da economia brasileira atinge 20% do PIB no 3o. trimestre de 2011:

http://oglobo.globo.com/economia/taxa-de-investimento-atinge-20-do-pib-3389817

Investimentos públicos cresceram 93,3% entre 2003-2010, mostra IPEA:


http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=12753&Itemid=3

Mercado consumidor brasileiro ganhou 50 milhões de novos consumidores desde 2003, diz FGV:

http://economia.ig.com.br/classes+a+e+b+crescem+mais+que+a+c+aponta+estudo+da+fgv/n1597048628428.html

Aumento real do salário mínimo beneficia 48 milhões de pessoas, mostra Dieese:

http://www.jb.com.br/economia/noticias/2012/01/02/salario-minimo-de-r-622-acumula-ganho-real-de-66-desde-2002/

IPEA: renda média real subiu 28% e número de pobres diminuiu em 26 milhões entre 2004-2009:

http://ruifalcao.com.br/ipea-em-cinco-anos-brasil-tira-26-milhoes-da-pobreza/

Desmatamento na Amazônia cai 11% e fecha no menor patamar dos últimos 24 anos:

http://exame.abril.com.br/economia/meio-ambiente-e-energia/noticias/desmatamento-na-amazonia-cai-11-e-atinge-menor-taxa-em-24-anos

Salário Mínimo acumula ganho real de 66% desde 2003:

http://guerrilheirodoanoitecer.blogspot.com/2011/12/salario-minimo-acumula-ganho-real-de-66.html

Crescimento pífio fez Brasil perder posições no ranking mundial:

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u74484.shtml

Brasil tinha a 12a. maior economia mundial em 2002:

http://pt-camara.jusbrasil.com.br/politica/6223564/dilma-governara-7-economia-mundial-em-2002-brasil-ocupava-o-12-lugar

Renda dos mais pobres cresce 5 vezes mais rapidamente do que as dos ricos:

http://mercadoetico.terra.com.br/arquivo/ipea-desigualdade-entre-salarios-de-ricos-e-pobres-caiu/

Taxa de desemprego de Novembro de 2011, de5,2%, é a menor da História, diz IBGE:


http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,taxa-de-desemprego-e-a-menor-da-historia-aponta-ibge,96966,0.htm

Por que o Brasil é a economia mundial?

http://brasil247.com.br/pt/247/economia/32909/Por-que-o-Brasil-%C3%A9-a-6%C2%AA-economia.htm

Orçamento do Bolsa-Família atinge R$ 16,7 bilhões em 2011 e beneficia 13,4 milhões de famílias:

http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/76186_GOVERNO+AUMENTA+EM+194+GASTOS+COM+BOLSA+FAMILIA

Dieese: 89% dos trabalhadores  conseguem aumentos reais de salários em 2010:

http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/valor/2011/03/17/89-dos-aumentos-salariais-em-2010-superaram-a-inflacao-aponta-dieese.jhtm

Índice de pobreza caiu 50,6% durante o governo Lula, diz FGV:

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,indice-de-pobreza-no-brasil-cai-50-em-oito-anos,714372,0.htm

Luz Para Todos já beneficiou 14 milhões de pessoas:

http://www.fetecpr.org.br/programa-luz-para-todos-ja-beneficiou-14-milhoes-de-brasileiros/

Gastos sociais crescem 146% e atingem 15,8% do PIB em 2009, diz IPEA:

http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=9269&Itemid=75

Evolução da taxa de inflação (IPCA) no Brasil entre 1999-2010:


http://www.bcb.gov.br/Pec/metas/TabelaMetaseResultados.pdf

Produção e vendas de automóveis batem recorde no Brasil em 2011:

http://invertia.terra.com.br/carros-motos/noticias/0,,OI5544722-EI19500,00-Venda+de+carros+no+Brasil+atinge+recorde+de+mi+em.html

Brasil se torna o 3o. maior mercado mundial de computadores:

http://www.castrodigital.com.br/2011/08/brasil-3-mundo-venda-computadores.html

Brasil é o 5o. maior mercado de automóveis do mundo:

http://caranddriverbrasil.uol.com.br/noticias/mercado/brasil-termina-novembro-como-5-mercado-mundial-atras-da-alemanha/741

Brasil deve se tornar o 3o. maior mercado de automóveis do mundo até 2016:


http://invertia.terra.com.br/carros-motos/noticias/0,,OI5546304-EI19500,00-Brasil+deve+ser+maior+mercado+de+carros+do+mundo+em.html

Nenhum comentário: