quinta-feira, 7 de junho de 2012

O fim da URSS e a atual Crise Global do Capitalismo! - por Marcos Doniseti!

O fim da URSS e a atual Crise Global do Capitalismo! - por Marcos Doniseti

(Texto originalmente publicado no blog Guerrilheiro do Entardecer e atualizado no dia 07/06/2012)



O leitor Filipe Rodrigues fez o seguinte comentário no blog do Nassif:


"Quem se beneficiou da revolução de 1917 não foi o povo russo, más a Europa Ocidental. Para minar a influência comunista surge o fenômeno do populismo, políticos conservadores (De Gaulle, Roosevelt, Vargas, Perón e etc)que passam a fazer políticas públicas de inclusão social (Estado bem-estar social).".


Sobre o mesmo, eu escrevi a seguinte resposta:

R - Concordo contigo. O medo da expansão do Comunismo pelo mundo afora é que levou as burguesias dos países capitalistas mais avançados (EUA, França, Alemanha, Grã-Bretanha), a fazer importantes concessões para as classes trabalhadoras, que passaram a desfrutar de inúmeros direitos sociais, trabalhistas e previdenciários.

Neste aspecto, o Welfare State é um filho indireto da Revolução Russa e assemelhadas. Sem estas, o Estado de Bem-Estar Social não teria sido construído ou então não teria atingido tamanho desenvolvimento.

Aliás, bastou ficar claro que a URSS não tinha mais como competir com as economias capitalistas mais avançadas, o que se deu a partir dos anos 1970, que as burguesias iniciaram uma ofensiva global contra todas as conquistas dos trabalhadores pelo mundo afora, arrochando salários, eliminando direitos sociais, trabalhistas e previdenciários, a fim de intensificar o processo de exploração da força de trabalho.

Com isso, tivemos o início da ofensiva Neoliberal e em todo o mundo, principalmente depois que Reagan e Thatcher passaram a governar os EUA e a Grã-Bretanha.

Porém, isso levou a um brutal aumento da concentração de renda em todo o mundo, com as desigualdades sociais crescendo rapidamente.

E daí o Capitalismo passou a intensificar o processo de exploração da força de trabalho em todo o mundo, aproveitando-se do fato de que países como China, Índia e os antigos países socialistas do Leste Europeu entraram no jogo da economia capitalista globalizada.

E isso jogou no chão os ganhos e os benefícios dos trabalhadores do mundo todo, principalmente dos países ricos, que passaram a ter o seu poder de compra fortemente arrochado. Nestas circunstâncias, de redução da renda real dos trabalhadores pelo mundo afora, como se faz a economia crescer?



Simples: o Capitalismo, para poder continuar se expandindo, apelou para um brutal processo de especulação financeira e de mega-endividamento, tanto de empresas, como dos consumidores. E foi justamente o colapso deste processo que gerou a atual crise global.

Assim, pode-se perfeitamente relacionar o fim da URSS e do 'Socialismo Real' com a crise que o Capitalismo enfrenta atualmente.

Tal crise deixa bem claro que é preciso existir algum tipo de alternativa ao Capitalismo (não importa o nome que tal alternativa tenha... geralmente chama-se a alternativa de Socialismo mesmo) para que o mesmo não caia num brutal processo de exploração da força de trabalho e de concentração de renda nas mãos de um número cada vez menor de pessoas e de empresas e não se crie, assim, um mundo cada vez mais desigual, injusto e violento e nos quais as crises se sucedam umas às outras numa velocidade cada vez maior, que é exatamente o cenário atual da economia mundial.

Nenhum comentário: