sábado, 25 de agosto de 2012

As mentiras de Jair Bolsonaro sobre o Golpe de 64 e a Ditadura Militar! - por Marcos Doniseti!

As mentiras de Jair Bolsonaro sobre o Golpe de 64 e a Ditadura Militar! - por Marcos Doniseti!

(revisado no dia 06/11/2010; publicado originalmente no dia 28/02/2010 no blog Guerrilheiro do Entardecer)



No vídeo cujo link postei ao final deste texto, o deputado federal Jair Bolsonaro fez um discurso repleto de mentiras e de falsidades a respeito da Ditadura Militar e daqueles que, como a ministra Dilma, lutaram contra a mesma de forma brava e heróica.

Vamos lá, então:

Comentando o vídeo com o discurso mentiroso do Bolsonaro!

1) Quem dá saudações a um Regime Militar, como fez Bolsonaro, que destruiu com todas as liberdades (de imprensa, manifestação, pensamento, reunião, organização) e que aniquilou a Democracia brasileira é porque é um Fascista, um reacionário.

Esse tipo de comportamento é coisa de quem não aceita a Democracia, tem ódio do povo e não quer permitir a participação popular no governo, querendo manter a população afastada do processo político, mesmo que tenha que apelar para a violência institucionalizada, como fez a Ditadura Militar Terrorista tupiniquim entre 1964-1985.

2) Falar que o Brasil não existiria sem as obras dos militares, como fez o Bolsonaro, é uma piada.

Quem adotou uma política de estímulo à industrialização foi o Governo de Getúlio Vargas, já no período 1930-1945, e que teve continuidade e foi aprofundada em seu segundo governo (1951-1954).

A criação da Petrobras (em 1953), a adoção da CLT (em 1942), a implantação do BNDES (em 1952), e a criação da CSN (que começou a funcionar em 1946 e que foi a primeira grande siderúrgica brasileira) é que viabilizou a industrialização do país nas décadas seguintes. Tudo isso é obra dos governos nacionalistas, trabalhistas e reformistas de Getúlio Vargas.

A indústria automobilística foi criada por JK (um antigo aliado de Getúlio e cujo vice-presidente foi Jango, do PTB varguista, herdeiro político de Vargas), que foi eleito democraticamente em 1955, e cuja posse os militares direitistas e reacionários da época tentaram impedir.

Aliás, os militares golpistas de 1955 foram os mesmos que, em 1964, derrubaram o governo legítimo, constitucional e democrático de Jango.

O governo JK também aumentou consideravelmente a produção de aço (que cresceu mais de 300% em 5 anos) e criou 10 novas universidades federais (recorde que somente foi superado agora, pelo governo Lula, que criou 14 novas universidades federais).

O governo Jango, por sua vez, criou a Eletrobras, que modernizou e expandiu todo o sistema elétrico brasileiro nas décadas seguintes. Os primeiros estudos que resultaram na construção de Itaipu foram feitos no governo Jango. O Estatuto do Trabalhador Rural também foi criado no governo Jango. A Universidade de Brasília foi implantada no governo Jango e serviu de modelo (embora em condições totalmente violentas e repressivas, é claro) para a reforma universitária de 1969. Também foi o governo Jango quem primeiro se preocupou em iniciar um programa de erradicação do analfabetismo. E o mesmo, depois, serviu de inspiração para a criação do Mobral.



Quer dizer, até mesmo algumas das principais iniciativas da Ditadura Militar foram cópias, embora mal feitas e em versões bem mais autoritárias e retrógradas, de políticas já adotadas pelo governo Jango.

E a política econômica que a Ditadura Militar inicialmente adotou (sob o comando da dupla Campos-Bulhões), no governo de Castelo Branco, foi um fracasso, pois a economia ficou estagnada, os salários foram brutalmente arrochados e o desemprego, a pobreza e a miséria aumentaram consideravelmente.

Esta crise econômica e social, que tivemos no governo de Castelo Branco, foi a responsável, inclusive, por jogar mais 'água no moinho' das manifestações estudantis no período 1966-1968, que foram brutalmente reprimidas pela Ditadura Militar.

Daí, o que fizeram os governos ditatoriais subseqüentes (de Costa e Silva, Médici e Geisel)?

Ressuscitaram a política de estímulo à industrialização que foi inicialmente implantada por Vargas (cuja memória a Ditadura Militar tentou destruir, mas não conseguiu) e que teve continuidade nos governos de JK e Jango, marcadas por uma significativa intervenção do Estado na economia.

E mesmo assim, a Ditadura Militar conseguiu a proeza de não conseguir concluir obras como a ‘Ferrovia do Aço’, ‘Transamazônica’, ‘Projeto Nuclear’ e ‘Itaipu’. Gastaram dezenas de bilhões de dólares nestas obras e não concluíram NENHUMA. Por que? Simples: Incompetência e Corrupção!

Atualmente, temos em andamento, novamente, grandes obras de infra-estrutura como a Transnordestina, a Ferrovia Norte-Sul, as obras de Transposição do Rio São Francisco, a construção e a duplicação de milhares de quilômetros de rodovias, a construção de hidrovias, usinas hidrelétricas, refinarias, siderúrgicas, entre muitas outras.

Se o Sr. Bolsonaro conhece algum caso concreto de superfaturamento nestas obras, então ele tem a obrigação de denunciar isso para a Justiça, para que tais pessoas sejam devidamente julgadas e condenadas por isso. Do contrário, ele é um cúmplice destas irregularidades.

3) Citar o caso de Celso Daniel é piada. A Polícia Civil do governo do estado de SP, controlada inteiramente pelo PSDB, fez DOIS inquéritos para investigar as causas da morte do ex-prefeito de Santo André e, em ambos, concluiu a mesma coisa, ou seja, que Celso Daniel foi vítima de criminosos comuns.

Será que a Polícia Civil de SP não sabe fazer inquéritos?

Por que Bolsonaro não pergunta à Polícia Civil paulista a razão da mesma não ter conseguido encontrar nenhuma prova de que o PT ou qualquer pessoa ligada ao partido tenha tido alguma ligação com esse odioso crime?

Com a palavra, o Sr. Bolsonaro.

4) O fascista e reacionário do Bolsonaro ignora, ou finge ignorar, que os atos armados que ele cita em seu discurso, feitos por organizações guerrilheiras da época da Ditadura Militar, visavam obter recursos para financiar a própria guerrilha e não promover o enriquecimento pessoal dos seus integrantes.

Portanto, estes atos armados não eram ações criminosas comuns, mas ações políticas que tinham por finalidade manter a luta e a resistência contra uma Ditadura Militar Terrorista que havia destruído a Democracia e exterminado todas as liberdades e direitos da população.

Inclusive, a doutrina da Igreja Católica, a Declaração Universal dos Direitos Humanos e o Liberalismo defendem o direito das pessoas lutarem, com armas na mão, contra regimes tirânicos e que destruíram as liberdades e os direitos da população.
Em 1968, os militares invadiram a Universidade de Brasília. É disso que Bolsonaro tem saudades?
O caráter permanente do AI-5, aliás, pode ser confirmado por um fato bem simples: ele não tinha data para deixar de vigorar, como ocorreu com os Atos anteriores.

Quanto ao dinheiro do Adhemar de Barros que ele citou no vídeo, o mesmo foi fruto de CORRUPÇÃO. O dinheiro estava na casa da amante de Adhemar e a VAR-Palmares, organização da qual Dilma fez parte, tinha um integrante que era sobrinho da amante de Adhemar e sabia que o dinheiro que ele roubava do povo, fruto de CORRUPÇÃO, era guardado na casa dela. Era dinheiro do povo brasileiro, portanto, e que o Adhemar roubou na cara-dura.

O slogan de Adhemar, inclusive, era ‘Rouba, Mas Faz!’, mas parece que o sr. Bolsonaro não sabe de nada disso, coitado!

5) Bolsonaro ataca a UNE, tal como a Ditadura Militar também o fez, inclusive queimando a sede da entidade na época e proibindo os estudantes de participar de qualquer atividade política. A formação de Grêmios Estudantis, por exemplo, foi proibida pela Ditadura Militar (Lei Suplicy de Lacerda).

A UNE foi um dos baluartes da resistência à Ditadura Militar Terrorista e muitos dos integrantes do movimento estudantil da época, incluindo Dilma (que atuava no movimento estudantil de Belo Horizonte), depois do AI-5, perceberam que se quisessem continuar lutando contra a Ditadura Militar teriam que partir para algum tipo de luta armada, pois todos os canais de participação política que eram pacíficos e democráticos haviam sido fechados pela Ditadura.

Assim, não restou outra alternativa, para quem quisesse continuar lutando contra a Ditadura, a não ser participar da luta armada. Esta, nunca foi a primeira opção dos oposicionistas, mas a Ditadura Militar Terrorista não lhes deixou qualquer outra possibilidade de atuação política. Ou se lutava, com armas na mão, ou se recolhia ao silêncio. Alguns poucos milhares de brasileiros e brasileiras corajosos optaram por lutar. E entendo que devemos ser profundamente gratos a eles, pois tais pessoas não permitiram que as chamas da luta pela redemocratização e do país e pela construção de um país mais justo se apagassem.

Tanto isso é verdade que foi somente depois do AI-5 que começaram, para valer, a se formar grupos guerrilheiros. Antes, priorizava-se a luta política pacífica e democrática. Esta não continuou porque a Ditadura Militar não permitiu. Mas, o Sr. Bolsonaro finge ignorar tudo isso, embora todos estes fatos sejam de conhecimento público e notório.

Com todo o respeito, mas chamar Bolsonaro de burro é uma ofensa aos burros. Ele é mentiroso ou então nada sabe a respeito do que diz neste seu discurso patético.

Citar editoriais da Grande Imprensa da época a respeito do Golpe de Estado contra Jango, como faz Bolsonaro neste discurso, é uma verdadeira piada. E por um motivo muito simples: A Grande Imprensa foi uma das forças políticas e sociais que apoiaram o Movimento Golpista e a Ditadura Militar. E isso já acontecia há vários anos.

Em Setembro de 1961, por exemplo, os jornais, reacionários e de Direita, ‘O Estado de S.Paulo’ e ‘O Globo’, apoiaram a tentativa de Golpe de Estado que visava impedir a posse de Jango na Presidência da República. E fizeram isso mesmo sabendo que a Constituição brasileira determinava que, quando um Presidente renunciava ao cargo (como fez aquele golpista do Jânio), o Vice-Presidente deveria tomar posse no mesmo.


Jango defendia as Reformas de Base, mas queria colocá-las em prática dentro das regras do jogo democrático. 
E nos anos seguintes, 1961-1964, a Grande Imprensa fez toda uma campanha difamatória contra Jango e contra as ‘Reformas de Base’, dizendo que elas representariam a ‘comunização’ do país.

Assim, para estes reacionários da Grande Imprensa, acabar com o analfabetismo, fazer Reforma Agrária, permitir que os trabalhadores rurais desfrutassem de direitos sociais e trabalhistas era ‘coisa de comunista’, embora tais realidades já estivessem devidamente implantadas em todos os países CAPITALISTAS avançados naquela época.

O governo Jango não tinha nada de comunista. Era um governo nacionalista, democrático e reformista e que contava com ampla participação popular. Portanto, é uma gigantesca asneira dizer que o mesmo queria implantar uma ‘Ditadura do Proletariado’ no Brasil.

E quem, na verdade, enviou dinheiro para o Brasil a fim de modificar o tipo de governo e de sociedade que tínhamos na época, foram os EUA que, principalmente através da CIA e de outros organismos estatais, enviou dezenas de milhões de dólares para financiar os movimentos golpistas que se articulavam no país e do qual fazia parte a ‘fina flor’ das Elites tupiniquins, como Grandes Empresários, Latifundiários, Multinacionais, Banqueiros, Grande Imprensa, Igreja Católica, Classes Médias abastadas.

E nas eleições parlamentares de 1962, apenas a CIA enviou vários milhões de dólares (que na época valiam muito mais do que hoje) para financiar a eleição de parlamentares comprometidos com os interesses dos EUA e das Elites brasileiras e impedir que o PTB se tornasse o partido dominante no cenário político brasileiro, pois o mesmo estava crescendo rapidamente, já que era o partido preferido dos pobres e dos trabalhadores assalariados, tal como ocorre hoje com Lula e com o PT.

E o PTB era um partido nacionalista e reformista de Centro-Esquerda que era a maior força política progressista do país na época, sendo infinitamente maior do que o PCB que, além de ser ilegal, somente tinha maior influência entre estudantes e intelectuais.

Portanto, apenas um notório desinformado ou um mentiroso como Jair Bolsonaro para afirmar que o objetivo do governo Jango era implantar uma ‘ditadura do proletariado’ no Brasil.

E o governo Jango jamais, em momento algum, chegou a elaborar qualquer plano para dar um Golpe de Estado. Muito pelo contrário. Jango sempre governou em total acordo com a Constituição. Se ele quisesse ter dado um Golpe, ele o teria feito. Não o fez porque era um democrata convicto. Mas, Bolsonaro finge ignorar isso para poder deturpar a história e justificar um Golpe de Estado ilegal e criminoso contra um governo democrático e constitucional, que era o de Jango.

Bolsonaro cita partidos políticos em seu discurso medíocre e mentiroso, mas não diz que a mesma Ditadura Militar, ainda antes da ‘eleição’ fajuta de Castelo Branco pelo Congresso Nacional, editou o AI-1 e cassou o mandato e os direitos políticos de inúmeros políticos eleitos pelo povo, principalmente os do PTB, é claro.


Acima, vemos algumas das vítimas da Ditadura Militar da qual Jair Bolsonaro morre de saudades...

E ele também não diz que, posteriormente, com o AI-2, todos os partidos políticos foram extintos e foram criados 2 partidos, o MDB (de ‘oposição tolerada ou consentida’ pela Ditadura) e a ARENA (de sustentação da Ditadura Militar). Bolsonaro também não diz que centenas de políticos eleitos pelo povo tiveram os seus direitos políticos suspensos e seus mandatos cassados pela Ditadura Militar.

Aliás, a radicalização da Ditadura Militar foi tal que até mesmo Adhemar de Barros, Jânio Quadros e Carlos Lacerda (todos notórios políticos conservadores e direitistas), que apoiaram ao Golpe de 64, perderam os seus direitos políticos.

E as eleições para Presidente da República, Governadores de estado, prefeitos das capitais e de cidades consideradas como de ‘Segurança Nacional’ (Santos, Volta Redonda, etc) passaram a ser realizadas indiretamente, sem qualquer participação popular neste processo.

Foi em função de tudo isso que os brasileiros ficaram 29 anos seguidos sem poder eleger diretamente o Presidente da República.

Falar que a Justiça não funcionava antes da Ditadura Militar é uma deslavada mentira da parte de Bolsonaro. E a Ditadura Militar adotou, depois, medidas que reduziram substancialmente a autonomia do Poder Judiciário, interferindo na composição do STF, afastando juízes que votavam sempre em defesa do cidadão e da Democracia, como foi o caso de Evandro Lins e Silva (que foi afastado do STF depois do AI-5 pois sempre votava contra a Ditadura e em defesa do cidadão) por exemplo. Mas, isso também não foi citado por Bolsonaro em seu discurso patético, desonesto e mentiroso.

Sobre a massa de miseráveis que Bolsonaro cita, ela é criação de um sistema capitalista que sempre concentrou renda e poder político nas mãos de poucos. E foi exatamente isso, essas injustiças e essa miséria na qual viviam dezenas de milhões, que a Ditadura Militar quis eternizar.

Os pobres e os miseráveis votam no PT e em Lula porque estes melhoraram consideravelmente as condições de vida deles, permitindo que passassem a ter um salário melhor, acesso a bens de consumo que nunca possuíram, energia elétrica, acesso à Universidade, a empregos com carteira assinada, enfim, a uma vida melhor.

Falar que esse processo de mudanças que o governo Lula implantou no país irá resultar na implantação de uma ‘ditadura do proletariado pelo voto’ é uma arrematada besteira. Primeiro, que Lula não defende isso. E o PT defende o Socialismo Democrático, sendo contrário à qualquer tipo de Ditadura.

Aliás, quem demonstrou gostar muito de Ditaduras é o Sr. Bolsonaro, que tantos elogios fez à Ditadura Militar brasileira.

E quem lutou contra a Ditadura neste país foram justamente os membros das forças políticas progressistas (nacionalistas, trabalhistas e de esquerda) que hoje governam o país, como é o caso dos ministros Dilma Rousseff e Franklin Martins e do próprio Lula, cujos movimentos grevistas aos quais liderou no final dos anos 1970 e início dos anos 1980 deram uma importante contribuição para a derrocada da Ditadura Militar.

Logo, Jair Bolsonaro é que têm muito mais condições de implantar uma Ditadura Militar Extremista de Direita neste país e não aquelas forças e lideranças políticas que lutaram, brava e heroicamente, contra a Ditadura Militar Terrorista da qual o deputado Bolsonaro mostra sentir tantas saudades.

Antes do Golpe de 1964 o Brasil era um país democrático, possuindo um governo legítimo e constitucional, e isso teria continuado caso o Golpe Militar não tivesse derrubado o governo de Jango.

E depois que acabou a Ditadura Militar, o Brasil voltou a ser um país democrático e isso continua até os dias atuais.


Portanto, foram as forças da Direita reacionária e troglodita, da qual o patético e mentiroso deputado Jair Bolsonaro é um legítimo representante, que implantaram uma Ditadura Militar no Brasil.

As forças democráticas e progressistas de Esquerda e de Centro-Esquerda jamais, em momento algum da nossa história, implantaram Ditaduras no Brasil. As forças direitistas é que fizeram isso.

O Golpe do ‘Estado Novo’, por exemplo, foi planejado e contou com uma participação ostensiva dos Integralistas, movimento de Extrema-Direita que defendia a implantação de uma Ditadura Militar inspirada no Nazi-Fascismo no Brasil.
Geisel assinou um acordo nuclear com a Alemanha, gastou US$ 30 bilhões no mesmo e, mesmo assim, não fez nenhum usina... Haja incompetência e corrupção.


E o ‘Estado Novo’ também foi uma Ditadura de Direita Extremista e brutal, tal como a do período 1964-1985. E a mesma também reprimiu duramente todos os movimentos de Esquerda da época (incluindo Socialistas, Comunistas, entre outros) como ocorreu na época da ‘Ditadura Militar’ de 1964-1985.

Logo, as forças políticas que o deputado Bolsonaro diz estar planejando a implantação de uma ‘ditadura do proletariado’ no Brasil foram, justamente, as maiores vítimas destas Ditaduras radicais e extremistas de Direita que tivemos em nosso país.

E quando estas forças progressistas e democráticas governaram o Brasil (1945-1964 e nos dias atuais), foi justamente aí, neste período, que a Democracia foi preservada e assegurada.

E toda a história do Brasil de 1930 até hoje confirma isso.

Link:

http://www.youtube.com/watch?v=qxLWWjW3T_8

Nenhum comentário: