sábado, 1 de setembro de 2012

Ataques de Serra e da Mídia contra Russomano podem fazer Haddad vencer no 1o. turno! - por Marcos Doniseti!

Ataques de Serra e da Mídia contra Russomano podem fazer Haddad vencer no 1o. turno! - por Marcos Doniseti!

As perspectivas de Serra para chegar ao 2o. turno!


O jornalista e blogueiro Altamiro Borges diz, em seu blog, que Serra acionará o PIG (Globo, Veja, Folha, Estadão e assemelhados) contra Russomano, para derrubar o candidato do PRB e voltar a ter chances de ir para o 2o. turno da eleição paulistana. Enquanto isso, a campanha de Serra cuidaria de atacar Haddad.

Assim, Serra poderia recuperar alguns pontos nas pesquisas, enquanto derrubaria Russomano e interromperia o processo de crescimento de Haddad.

Essa estratégia poderá funcionar? Sim, é claro. Mas é muito improvável que ela funcione.

Além disso, apelar para a baixaria contra os adversários também é uma estratégia muito arriscada e por vários motivos, que comentarei logo abaixo.

É verdade que, na situação em que se Serra encontra atualmente (de queda rápida nas pesquisas) o candidato tucano terá que correr riscos, mesmo. O que ele não pode é ficar parado, inerte, vendo o seu eleitorado diminuir a cada dia, levando a sua candidatura a um precoce naufrágio.

Mas apelar para ataques de baixo nível contra os adversários é uma postura que poderá acabar se voltando contra a sua própria candidatura.

Por que penso que essa estratégia de fazer a Grande Mídia atacar Russomano e do próprio Serra partir para os ataques contra Haddad é muito arriscada?

É que acredito que existem grandes possibilidades de que com a Grande Mídia batendo pesado em Russomano, a maior parte dos eleitores deste acabe debandando em direção às candidaturas de Haddad e de Chalita. Os eleitores mais progressistas do candidato do PRB poderiam passar a apoiar Haddad e os mais conservadores poderiam debandar para o lado do candidato do PMDB. Para Serra, mesmo, seriam transferidos poucos votos. 

E porque acredito nisto? É que o eleitor de Russomano avalia muito mal o governo de Kassab, possuindo um perfil oposicionista.

E como Haddad já se encontra em processo de rápido crescimento, principalmente através da conquisa de eleitores petistas que desconheciam a sua candidatura (ele passou de 21% para 40% de apoio entre eleitores petistas depois de apenas uma semana de horário eleitoral, segundo o Datafolha), se ele for vitaminado também com a conquista de eleitores de Russomano, a sua ascensão nas pesquisas irá se acelerar.

Somando-se tudo isso com a participação crescente do ex-presidente Lula, da presidenta Dilma e da Senadora Marta Suplicy na campanha de Haddad, o resultado dessa somatória de fatores poderá ser uma surpreendente votação de Haddad no primeiro turno, podendo até fazer com que ele liquide a eleição no 1o. turno. 

Portanto, ao tentar desconstruir a candidatura de Russomano, a campanha midiática em favor de Serra poderá acabar jogando mais água no moinho da candidatura de Haddad, provocando a vitória deste já no 1o. turno da eleição.

Uma outra possibilidade, menos ruim para o candidato do PSDB, mas que também está longe de ser boa, é que o processo de desconstrução de Russomano (caso ela seja bem-sucedida, é claro) acabe jogando mais água no moinho da candidatura de Gabriel Chalita, um ex-tucano com bom trânsito no PSDB, principalmente entre a ala alckmista da legenda.

Afinal, Chalita foi secretário de Educação de Alckmin por 4 anos e fala, todos os dias, no horário eleitoral que ainda é amigo de Alckmin e que tem um bom relacionamento com o governador paulista.

O grande problema de Chalita, no entanto, é que na capital paulista o PMDB encolheu muito em função dos anos em que Quércia dominou o partido no estado. As bancadas de vereadores e de deputados estaduais e federais do PMDB despencou nas útlimas eleições. O número de prefeitos do PMDB também desabou no estado.

Assim, Chalita (que tem muito boa presença no vídeo e pouco mais de 4 minutos de propaganda, o que não é pouco para a TV) sofre com a fraqueza do PMDB paulista.

Mas, se um grande número de tucanos insatisfeitos com Serra desembarcar na sua candidatura, então o candidato do PMDB deverá crescer nas pesquisas e, assim, poderá atrair votos de eleitores de Russomano que são mais conservadores (principalmente os de classe média) e que rejeitam Haddad e o PT.

Além disso, os ataques contra Haddad também poderã se revelar como totalmente inócuos. Afinal, Serra já usou, exaustivamente, desta campanha apelativa em 2010, contra Dilma, Lula e o PT e não deu certo.

Outra coisa: uma parte significativa do eleitorado pode acabar repudiando essa nova tentativa de Serra de baixar o nível de uma campanha eleitoral para conseguir vencer a disputa. 

Inclusive, essa estratégia de ataques pessoais contra adversários também já fracassou totalmente em 2002, quando a candidatura de Serra partiu para a baixaria contra Ciro Gomes. Este despencou nas pesquisas, sim, mas isso acabou levando ao crescimento da candidatura de Lula, que ultrapassou o seu teto histórico de 30% e chegou aos 46,4% dos votos já no 1o. turno.

Com isso, Lula teve o dobro de votos do que Serra, que não passou dos 23,2% no 1o. turno, e foi facilmente derrotado por Lula no 2o. turno, com o candidato petista vencendo a eleição com 61% dos votos válidos, contra apenas 39% de Serra.

Aliás, o candidato tucano enfrenta um outro sério problema, nesta campanha à prefeitura de SP, e que é semelhante ao que enfrentou em 2002: Tal como naquela eleição presidencial, agora Serra é o candidato identificado com um governo altamente impopular. Em 2002, o governo FHC terminou com cerca de 25% de aprovação, percentual virtualmente idêntico aos 24% de aprovação do governo de Kassab, segundo a mais recente pesquisa Datafolha.

Desta maneira, com os ataques feitos à Russomano e, também, a Haddad, Serra poderá acabar colhendo uma derrota tão acachapante e humilhante quanto aquela que sofreu para Lula em 2002.

Aliás, segundo o respeitado jornalista Ricardo Kotscho (da Record e do R7) Serra já começou a apelar (ver link baixo), partindo para ataques contra Haddad e Russomano, o que demonstra, claramente, a situação de total desespero em que se encontra a sua candidatura.

Assim, a nova estratégia serrista, de apelar para os ataques e para a baixaria contra Russomano e Haddad, poderá acabar se voltando contra o próprio tucano e corre o sério risco de jogar mais votos nas candidaturas adversárias, condenando Serra à mais uma derrota.

Links:

Resultados da eleição presidencial de 2002:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Elei%C3%A7%C3%A3o_presidencial_brasileira_de_2002

Altamiro Borges - Serra acionará o PIG contra Russomano:

http://altamiroborges.blogspot.com.br/2012/09/serra-acionara-o-pig-contra-russomano.html?spref=tw

Ricardo Kotscho - Serra apela no novo à 'Guerra Santa'!

http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/2012/09/01/serra-apela-de-novo-a-guerra-santa/

Nenhum comentário: