sábado, 2 de março de 2013

Porque a notícia sobre o crescimento do PIB de 2012 já nasceu velha! - por Marcos Doniseti!

Porque a notícia sobre o crescimento do PIB de 2012 já nasceu velha! - por Marcos Doniseti! 

Maiores aumentos reais de salários desde 1996, a menor taxa de desemprego da história, massa salarial crescendo 5,6% e retomada dos investimentos produtivos. Essa é a situação atual da economia brasileira, mostrando que número do crescimento de PIB de 2012 é velho, exibindo um cenário que não existe mais. 


Lula e Dilma: Seus governos tiraram o Brasil da estagnação, distribuíram renda e reduziram drasticamente os efeitos das crises internacionais sobre o país e seu povo.

Lula e Dilma: seus governos tiraram o Brasil da estagnação, distribuíram renda e reduziram drasticamente os efeitos das crises internacionais sobre o país e seu povo.

A Grande Mídia brasileira não faz a menor idéia sobre o que está acontecendo no Brasil atualmente. A questão sobre o crescimento da economia do país mostra bem isso. 

Em 2012 o PIB brasileiro cresceu 0,9% e as vendas no comércio varejista nacional aumentaram 8,4%. Como se explica isso? 'É a distribuição de renda, estúpido!' 

Segundo o Dieese, os acordos salariais assinados em 2012 pelos trabalhadores brasileiros promoveram o maior aumento real desde 1996, ou seja, são os melhores dos últimos 16 anos. Somente no primeiro semestre de 2012, em 97% dos acordos salariais assinados tivemos aumentos reais. 

Em Janeiro deste ano a taxa de desemprego foi a menor da história do país para o mês, ficando em 5,4% (foi de 5,5% em Janeiro de 2012) e a renda dos trabalhadores teve crescimento real de 2,4% sobre igual mês de 2012. A massa salarial, por sua vez, teve um aumento de 5,6% em relação ao mesmo mês do ano passado. 

E mesmo os investimentos produtivos, que caíram fortemente no acumulado de 2012, tiveram uma retomada no 4o. trimestre, crescendo 0,5% em relação ao trimestre anterior. 

Estes números mostram que, para o povo brasileiro, 'o Pibinho é um Pibão' e aponta para um maior crescimento da economia brasileira em 2013, salvo um agravamento mais forte da crise nas maiores economias mundiais, em especial os EUA, UE, China e Japão. 

Então, não adianta a Grande Mídia ficar trombeteando que o 'PIB cresceu só 0,9%', porque isso não atingiu a vida da maioria da população, que está melhorando mais rapidamente do que a situação do país. 

É claro que essa contradição não poderá continuar para sempre. Mas, os próprios números do PIB de 2012 mostram que no 4o. trimestre o PIB cresceu 0,6%, o que dá um número de 2,4% anualizado, bem acima do 0,9% obtido durante todo o ano. 

Logo, já estamos presenciando uma retomada da economia brasileira e que deverá se acelerar ainda mais caso os empresários voltem a investir no setor produtivo, o que não estão fazendo com a intensidade que se espera. Este fator, a queda dos investimentos privados, é que está segurando o crescimento da economia brasileira, junto com a entrada de grande volume de peças e componentes importados muito baratos que desestimulam a produção industrial nacional e o agravamento da crise internacional. 

Os EUA ficaram estagnados no último trimestre de 2012, 'crescendo' ridículos 0,1% e a crise da Zona do Euro piorou com a incerteza política na Itália, quarta maior economia da União Europeia e cujos eleitores estão divididos sobre qual é o melhor caminho a seguir, embora tenha ficado claro pelo resultado das eleições que há uma imensa maioria de italianos que rejeita o caminho da 'austeridade', que somente prejudica os trabalhadores e preserva e fortalece os interesses do Grande Capital. Na Espanha, a taxa de desemprego atingiu os 26%. Na Grécia ela já chegou a 30%. A economia do Japão sofreu uma queda de 0,1% no 4o. trimestre de 2012.

A Alemanha e a França, as duas maiores economias da UE, estão estagnadas e podem entrar em recessão. A economia alemã teve um forte recuo, de 0,6% no quarto trimestre em relação ao trimestre anterior. Já a economia da França 'cresceu' 0,1% no acumulado de 2012, mas no último trimestre do ano ela caiu 0,3%. 

Logo, este cenário explica a razão para a queda do crescimento da economia brasileira em 2012, mesmo com o governo Dilma tendo reduzido a taxa Selic para o menor patamar da história, reduzido os impostos e ter anunciado medidas para elevar os investimentos em infra-estrutura. 

Em função de tudo isso, se o Brasil crescer 3% em 2013, já será um ótimo índice, sem dúvida alguma. 


Indicadores econômicos brasileiros de Janeiro deste ano mostram uma significativa recuperação da atividade econômica. 

Na verdade, o que mais impressiona no caso do Brasil é que o país não tenha afundado com essa crise que atinge com força aos EUA, UE e Japão e que reduziu fortemente o crescimento da China e da Índia. Antigamente, bastava uma Tailândia qualquer afundar e o Brasil mergulhava numa crise terrível, com os juros disparando, os salários sendo arrochados, economia entrando em recessão e o desemprego crescendo rapidamente. 

Agora, isto não acontece, pois temos uma economia muito mais sólida, graças ao ótimo trabalho de recuperação e de reconstrução do país que foi realizado nos governos Lula e Dilma. 

Links:

Rendimento real dos trabalhadores cresceu 2,4% em Janeiro; Massa salarial aumentou 5,6%:

http://www.redebrasilatual.com.br/temas/economia/2013/02/estavel-taxa-de-desemprego-de-janeiro-e-a-menor-para-o-mes

Investimentos em máquinas e equipamentos cresceram 0,5% no 4o. trimestre:

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mercado/96377-investimento-surpreende-e-indica-retomada-da-economia-neste-ano.shtml

Dieese: Salário real médio teve o maior crescimento desde 1996:

http://economia.ig.com.br/mercados/2013-03-01/apesar-de-pib-baixo-ganho-real-medio-deve-ser-maior-desde-1996-diz-dieese.html

Comércio varejista brasileiro teve crescimento de 8,4% em 2012:

http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=2324&id_pagina=1

Crescimento da economia dos EUA foi de apenas 0,1% no 4o. trimestre de 2012:

http://expresso.sapo.pt/crescimento-dos-eua-revisto-em-alta-para-01-no-quarto-trimestre-de-2012=f790327

Itália, Espanha, Grécia... A interminável crise da Zona do Euro:

http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=21672&alterarHomeAtual=1

Alemanha tem queda de 0,6% no quarto trimestre:

http://economia.ig.com.br/2013-02-23/comercio-exterior-contrai-crescimento-da-alemanha-no-4-tri.html


Economia do Japão sofre queda de 0,1% no 4o. trimestre de 2012:

http://g1.globo.com/economia/noticia/2013/02/japao-permanece-em-recessao-mas-preve-2013-melhor.html

Nenhum comentário: