sábado, 4 de janeiro de 2014

Exportações do Brasil ultrapassam os US$ 740 bilhões no governo Dilma! - por Marcos Doniseti!

Exportações do Brasil ultrapassam os US$ 740 bilhões no governo Dilma! - por Marcos Doniseti!



Abaixo publico alguns números da Balança Comercial brasileira no governo Dilma (2011-2013, fonte: Ipeadata):

1) Exportações totais - US$ 740,7 bilhões;

2) Importações totais - US$ 688,9 bilhões;

3) Superávit Comercial - US$ 51,8 bilhões.

O Brasil nunca teve, na sua história, um corrente de comércio (ou seja, a soma de exportações e importações) tão intensa. Se somarmos os 3 anos de governo Dilma, a mesma ultrapassou os US$ 1,4 trilhão, algo inédito na história do país. 

Além disso, desde 2003 o superávit comercial total do Brasil chegou a US$ 311,1 bilhões. Apenas no governo Dilma este superávit atingiu quase US$ 52 bilhões (média anual de US$ 17,2 bilhões).

E tivemos superávit comercial em TODOS os anos dos governos Lula e Dilma (2003-2013), durante 11 anos consecutivos, o que é algo inédito na história do país.

O ano de 2013 não foi tão bom quanto os anteriores porque o mesmo concentrou muitos fatos negativos no cenário externo, que prejudicaram as exportações brasileiras, como: 

1) Os EUA crescendo pouco (no máximo 1,6%), a UE em forte crise (em recessão) e a China crescendo menos (em torno de 7,6% ao ano). 

Com isso, as exportações brasileiras para estes mercados (que são os maiores do mundo) estagnaram ou diminuíram. E os demais países da América Latina também passaram a crescer menos e isso prejudicou o Brasil, porque esta é a principal área de destino das exportações brasileiras atualmente, principalmente de produtos industriais. 

Além disso, o consumo de derivados de petróleo cresceu muito no Brasil nos últimos anos. A produção de petróleo brasileira é suficiente para atender ao consumo interno. 


Mas a capacidade das refinarias brasileiras não é. Elas já estão operando no limite. 

Temos várias novas refinarias sendo construídas (exemplo: a Abreu e Lima, em Pernambuco), mas a conclusão delas demora. 

Além do mais, grande parte dos insumos usados pela indústria brasileira são importados e como o consumo interno de produtos industriais cresceu, as importações dos mesmos aumentaram fortemente nos últimos anos. 


E foi justamente para fortalecer a indústria brasileira que o governo Dilma reduziu a tarifa de energia, desonerou a folha de pagamento, reduziu impostos e está promovendo as concessões no setor de infra-estrutura. 

E o forte aumento da produção agrícola elevou a importação de fertilizantes (por isso Lula mandou a Vale e a Petrobras investir forte no setor... várias indústrias de grande porte estão sendo construídas pelas duas empresas, principalmente pela Petrobras). 

As perspectivas da balança comercial brasileira para 2014 são bem melhores e por vários motivos: 

1) A produção de petróleo deverá crescer em 350 mil barris diários, elevando as exportações do produto;

2) As economias do EUA, UE e China também deverão crescer mais do que em 2013. 


O FMI já prevê um forte aumento no ritmo de crescimento da economia ianque, que deverá chegar a 2,6% em 2014, contra 1,6% em 2013.

E isso deverá beneficiar as exportações brasileiras, que deverão ter um ritmo mais forte de crescimento, com certeza, o que irá provocar o aumento do superávit comercial.


Link:

http://www.ipeadata.gov.br

Nenhum comentário: