sexta-feira, 2 de maio de 2014

A mensagem do discurso de Dilma: 'Querem guerra? Vocês a terão!' - por Marcos Doniseti!

A mensagem do discurso de Dilma: 'Querem guerra? Vocês a terão!' - por Marcos Doniseti!


Dilma precisa, mais do que nunca, mostrar para a população trabalhadora quais são as principais diferenças entre os projetos de Estado e de Sociedade do PT e da oposição reacionária e golpista.
O mercado financeiro e o empresariado lucraram como nunca desde que Lula passou a governar o Brasil, graças à retomada do crescimento econômico e à melhoria na distribuição de renda que tivemos desde então, o que permitiu que 50 milhões de pessoas ascendessem social e economicamente. 

Com isso, uma multidão de 40 milhões de brasileiros subiu para a Classe C e outros 10 milhões ascenderam para as classes AB. Isso equivale às populações de Argentina, Uruguai e Paraguai somadas. 

Todos lucraram neste período de governo 'lulista-dilmista-petista': industriais, agronegócio, bancos, classe média. Afinal, quem compra carros novos, viaja para o exterior e adquire imóveis novos, mesmo?. Beneficiários do Bolsa Família é que não são. 

Os mais pobres e miseráveis tiveram uma melhora mais intensa e significativa, é claro, mas isso tem que ser feito, mesmo, do contrário jamais deixaremos de ser um dos países mais desiguais do mundo. 

E como estes segmentos privilegiados da sociedade brasileira retribuíram a tudo isso? 

Financiando e apoiando uma Grande Mídia reacionária, mentirosa, golpista e manipuladora, que mente e engana a população o tempo inteiro, exigindo que o governo atenda apenas aos seus interesses, apoiando Black Blocs neofascistas e assemelhados, bem como sabotando os programas sociais e desenvolvimentistas dos governos Lula e Dilma (exemplo: Mais Médicos). 

E os segmentos mais retrógrados das elites tupiniquins ainda apelaram para mal disfarçadas tentativas de Golpes de Estado, via julgamento fajuto da AP 470. Como disse, corretamente, o ex-Presidente Lula, este foi uma clara tentativa de destruir o PT, Lula e Dilma, o que terminou em fracasso, felizmente.


Para segmentos reacionários das elites tupiniquins, a redução da pobreza é sinônimo de 'Comunismo'.

Tudo isso foi feito via um noticiário que estimulou o ódio da população contra o governo e o país, colunistas domesticados da Grande Mídia (Mervais, Elianes, etc) que possuem fortes conexões com o PSDB e as elites tradicionais mais retrógradas do país, consultores econômicos ligados aos seus interesses (com a já consagrada e famosa 'escola de pensamento econômico' conhecida como Urubologia) e partidos políticos elitistas e reacionários que fogem de povo como o diabo foge da cruz (leia-se PSDB-DEM-PPS) e para os quais o programa Mais Médicos é apenas um método inovador de introdução de espiões comunistas cubanos no país, que vem para cá disfarçados de médicos (acredite, o panfleto reacionário e neofascista conhecido como 'Veja' disse isso...). 

E mais recentemente os segmentos mais retrógrados e golpistas dessas Elites chegaram ao ponto até de apoiar, de forma descarada, um bando de mascarados neofascistas que se intitulou de 'Black Blocs'. 

Estes se utilizaram de uma tática de confrontação por meio da qual membros e simpatizantes de partidos políticos de oposição (PSDB, PSOL, PSTU em especial) ao governo Dilma, aos quais se uniram um bando de jovens deliquentes e frustrados devidamente remunerados, e que passaram a depredar tudo o que é utilizado diariamente pela população (estações de metrô, pontos de ônibus, agências bancárias, lojas, etc), a fim de jogar a mesma contra o governo Dilma, visando derrubar a popularidade e as intenções de voto desta. 


Um dos principais líderes do DEM, Ronaldo Caiado tentou de tudo para inviabilizar o programa Mais Médicos. 

Logo, foi o empresariado e o capital financeiro quem 'queimou as pontes' com os governos Lula-Dilma, tentando, de todas as maneiras, levar ao fracasso todos os planos de governo dos mesmos. 

Recentemente, eles chegaram ao ponto (leia-se Ronaldo Caiado, o DEM e os elitistas Conselhos Regionais de Medicina), até mesmo, de sabotar o programa Mais Médicos, que levou milhares destes profissionais a trabalhar em regiões do país nas quais eles nunca estiveram presentes ou que o fizeram de forma muito rara e esparsa ao longo da história do país. Milhões de brasileiros jamais haviam visto um médico na vida até então. 


Afinal, que Medidas Impopulares serão essas? Explica isso, Senador Aécio Neves...

Assim, as facções mais reacionárias da Elites tupiniquins radicalizaram de tal maneira a luta política contra o governo federal que obrigou este a fazer o mesmo, agora, nesta campanha eleitoral. 

Isso fez com que o governo o PT, Lula e Dilma acordassem de vez e percebessem que não há como escapar da luta política, social e ideológica que se desenvolve no Brasil neste momento da nossa história. 

E como parte deste processo de intensifcação e de radicalização das lutas políticas, sociais e ideológicas que está em pleno andamento no Brasil, torna-se fundamental explicar à população as nítidas e claras diferenças existentes entre o projeto político-social do PT e o do PSDB e da oposição reacionária. 


O Minha Casa Minha Vida é o maior programa de construção de moradias para a população de baixa renda da história do Brasil. O sucesso foi tão grande que até o governo de Hugo Chávez adotou um programa semelhante, e que foi implantado com a assessoria do governo brasileiro. 

O projeto petista é marcado pela distribuição de renda, inclusão social, estabilidade econômica, crescimento econômico, diálogo com os movimentos sociais (com muitos representantes dos mesmos participando dos governos Lula e Dilma), política de estímulo ao investimento produtivo (tanto estatal, como do setor privado), pelo fortalecimento do Estado (tanto na área econômica, como na social, vide o Regime de Partilha do pré-sal e os programas de inclusão social, como o Bolsa Família, o ProUni e o Minha Casa Minha Vida) e da Soberania Nacional.

Enquanto isso, o projeto dos Tucanos e das Elites Neoliberais e Reacionárias (Grande Mídia, PSDB, DEM, PPS e, mais recentemente, o PSB, que se aliou ao grupo para poder dar sustentação à candidatura presidencial de Eduardo Campos), é caracterizado pela exclusão social, concentração de renda, arrocho salarial, desemprego elevado e permanente (a fim de reduzir os salários dos trabalhadores), concentração de renda gigantesca, privatização e enfraquecimento do Estado e, é claro, submissão total aos interesses dos EUA.


Com a adoção do Regime de Partilha, aprovado pelo Congresso Nacional em 2010, o Estado brasileiro ficará com 75% da renda líquida do pré-sal, além de ter o poder de vetar todas as medidas relacionadas ao setor (com a criação da PetroSal). Foi isso que afastou as grandes petroleiras ianques do leilão do Campo de Libra e irritou a Grande Mídia neoliberal nacional e estrangeira. FHC já defendeu publicamente o fim do Regime de Partilha e o retorno ao regime de Concessão que existia em seu governo. 

Felizmente, Lula, Dilma e o PT acordaram a tempo de reagir e de mostrar que se as Direitas mais reacionárias desejam voltar a governar o país, então elas terão que enfrentar e vencer uma batalha muito dura, pois eles não fugirão da luta. 

Aliás, o desejo de travar tal batalha já era um sentimento muito forte entre os militantes petistas, tanto entre aqueles que militam cotidianamente no partido, como entre os que o fazem no mundo virtual, principalmente nas redes sociais (Facebook e Twitter, em especial, além de inúmeros blogs progressistas). 

O discurso da Presidenta Dilma do Dia do Trabalhador representou justamente isso, como se ela estivesse dizendo: 'Querem guerra? Então, vocês a terão!'.

Agora, não vale mais reclamar, elites corruptas, mentirosas, reacionárias, golpistas, entreguistas e apodrecidas. Vocês é que pediram por isso.

A luta política e social, sem dúvida alguma, é inerente a toda e qualquer sociedade que seja marcada pelas desigualdades, como é o caso do Capitalismo, onde atingem níveis estratosféricos, a não ser que sejam reduzidas significativemente pela ação política organizada dos trabalhadores, dos movimentos sociais populares (operário, estudantil, camponês, intelectuais, feministas, entre outros), bem como pela ação do Estado.


Se o salário mínimo está muito alto, é porque em um eventual governo de Aécio Neves o mesmo não será mais reajustado. Pense nisso...

Mas os segmentos elitistas, reacionários e eternamente golpistas da sociedade brasileira promoveram o início, já há alguns anos, de um desnecessário processo de radicalização política, social e ideológica que, no fundo, é uma reação às políticas de inclusão social implantadas pelo governo Lula, que começaram a reduzir as gigantescas desigualdades existentes, desde o período Colonial, na sociedade brasileira. 

Agora, essas elites apodrecidas e retrógradas que aguentem com as consequências desse processo de radicalização política, social e ideológica ao qual deram início.

Ao vencedor, as batatas. 

Links:

Luís Nassif - A nova Dilma:

http://www.blogdadilma.com/dilma/1086-a-nova-dilma-que-emerge-do-1-de-maio

Rodrigo Vianna: A resposta de Dilma ao massacre midiático:

http://www.rodrigovianna.com.br/plenos-poderes/e-dilma-falou-resposta-ao-massacre-midiatico.html


No Brasil dos governos Lula e Dilma, a economia cresceu e a desigualdade diminuiu. 

Antonio Lassance - Dilma retoma ofensiva:

http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/-Dilma-voltou-a-ofensiva-no-discurso-para-o-1%B0-de-Maio/4/30834

Dilma e o 'Tripé Social' - por Marcos Doniseti:

http://guerrilheirodoentardecer.blogspot.com.br/2014/05/dilma-e-o-tripe-social-por-marcos.html

O discurso de Dilma e os grandes empresários:

http://www.blogdokennedy.com.br/sbt-brasil-010514/?doing_wp_cron=1399032009.4809761047363281250000

'Veja': Médicos cubanos são espiões comunistas:

http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/05/revista-veja-sobre-medicos-cubanos-no-brasil-espioes-comunistas.html

Nenhum comentário: