domingo, 8 de fevereiro de 2015

Chacrinha é que sabia das coisas: Quem não se comunica, se trumbica! Entendeu, Dilma?- Marcos Doniseti!

Chacrinha é que sabia das coisas: Quem não se comunica, se trumbica! Entendeu, Dilma?- Marcos Doniseti! 


O 'Velho Guerreiro' sabia das coisas. Segue o conselho dele, Dilma!

Li dois ótimos textos, um do Paulo Moreira Leite e outro do Fernando Brito (ver links abaixo) nos quais eles mostram que o silêncio de Dilma, no início do seu segundo mandato, em meio a um bombardeio midiático-oposicionista brutal que acontece diariamente, 24 horas por dia, e em todas as mídias (rádio, tv, jornais, internet, redes sociais, whatsapp) e a falta de diálogo com a sociedade é que estão por trás da queda do nível de aprovação do governo e da presidenta Dilma que foi mostrado pela nova pesquisa do Datafolha. 

Segundo esta pesquisa, a aprovação (índice de ótimo-bom) do governo Dilma despencou no início deste segundo mandato, caindo para apenas 23% (contra 42% na pesquisa anterior, de Dezembro de 2014), enquanto que a rejeição (índices de ruim-péssimo) subiu para 44% (era de 24% na pesquisa anterior). 

Dilma precisa sair das cordas e tomar a iniciativa. Se não fizer isso, seu governo estará correndo sério risco.  

Dois bons exemplos disso nós já tivemos nos últimos dias, com a nomeação de Aldemir Bendine para presidir a Petrobras​ e, agora, a reunião que Dilma fará com as centrais sindicais, na segunda-feira, dia 8. 

O governo Dilma precisa ter uma política de comunicação, de fato, algo que nunca adotou em seu primeiro ano de mandato (isto ajuda e muito a explicar porque ela enfrentou uma eleição muito mais difícil do que a de 2010, quando derrotou Serra). 

E pessoas qualificadas e capacitadas no PT para fazer isso é o que não faltam. 

Franklin Martins é um craque da comunicação, mas, misteriosamente, o seu imenso talento para atuar no setor não é aproveitado pelo governo Dilma. Vá entender os motivos disso. 

Assim, com uma política de comunicação clara e definida, o governo Dilma estaria sempre esclarecendo a população sobre as medidas que toma (explicando sobre os motivos de tê-las adotados), responderia ao bombardeio midiático diário e ainda faria a divulgação das suas realizações. 

Nada disso é feito atualmente, o que explica essa pesquisa Datafolha verdadeiramente catastrófica para o governo Dilma, que mostrou seu governo com apenas 23% de aprovação e 44% de rejeição.


Quantas pessoas ficaram sabendo que a produção de petróleo e gás natural do Brasil bateu um novo recorde histórico em Dezembro de 2014, crescendo 18% em relação ao mesmo mês de 2013? Bem poucas, com certeza.
Sabe-se, claramente, que uma grande parte da população brasileira tem poucas informações a respeito dos níveis de responsabilidade de cada esfera de governo (federal, estadual e municipal).

Com isso, Dilma acaba sendo responsabilizada por fatos negativos com os quais ela tem pouca ou nenhuma ligação. Exemplo disso é o racionamento de água em São Paulo. O tratamento e abastecimento de água no estado de São Paulo é de responsabilidade exclusiva de uma empresa do governo do estado, que é a Sabesp, mas muitas pessoas, sejam por desonestidade intelectual ou desinformação, culpam Dilma pelo fato. 

Se o governo Dilma tivesse uma política de comunicação eficiente, seria possível esclarecer a população sobre quem são, de fato, os responsáveis pela chamada crise hídrica que atinge o estado de São Paulo. Mas como a população não tem noção de quem é responsável por isso, a impopularidade gerada pelo racionamento de água acaba atingindo o governo Dilma, que não tem absolutamente nada a ver com o assunto e que somente poderá ajudar o governo paulista a resolver o problema se o governador do estado, Geraldo Alckmin, pedir essa ajuda. 

Vejam outro caso, que é o da Petrobras: 

1) Quantas pessoas sabem que a corrupção investigada atualmente na empresa começou a ser praticada ainda durante o governo FHC? 

2) Quantas pessoas tomaram conhecimento do prêmio que a empresa recebeu, pela terceira vez, neste ano, pelas tecnologias que desenvolveu para extrair petróleo da camada pré-sal e que é o mais importante do setor? 

3) Quantas pessoas ficaram sabendo que em Dezembro de 2014 a produção de petróleo e gás natural da camada do pré-sal foi 93% maior do que em Dezembro de 2013? 

4) Quantas pessoas ficaram sabendo que a produção total de petróleo e gás natural do Brasil em Dezembro de 2014 cresceu 18% em relação ao mesmo mês de 2013?

5) Quantas pessoas tomaram conhecimento do fato de que a Petrobras tornou-se a empresa petrolífera de capital aberto número 1 do mundo, ultrapassando a Exxon? 

Bem poucas, com certeza. 

Então, adotar uma política de comunicação bem elaborada e executada com um mínimo de eficiência gera bons resultados, sim. 

Afinal, foi o fato de poder ter se comunicado com a população durante a campanha eleitoral, com os programas diários no Rádio e na TV, que fez com que a aprovação do governo Dilma subisse de 31% antes dos programas irem ao ar, para cerca de 45% ao final da campanha. 

A divulgação das inúmeras realizações dos governos Lula e Dilma durante a campanha eleitoral de 2014 e a comparação feita com os governos anteriores, principalmente com o de FHC-PSDB, foram fundamentais para a vitória de Dilma. 


Está vendo essa militância aqui, Presidenta Dilma? Ela precisa de bons argumentos para poder enfrentar os adversários e, assim, poder defender o seu governo. Que tal começar a pensar nisso e adotar uma política de comunicação forte, ousada e inovadora, a fim de colaborar com os militantes, hein? 

E com essa divulgação, a militância petista e de esquerda, bem como os eleitores mais convictos de Dilma, tinham argumentos na ponta da língua para rebater às críticas das quais os governos Lula e Dilma eram alvo. E com isso eles puderam desmascarar e desbaratar inúmeras mentiras e falsidades ditas pelos oposicionistas contra os mesmos. 

Os militantes também tinham o que dizer aos seus adversários e críticos, pois tinham conhecimento das inúmeras realizações dos governos Lula e Dilma.

Com isso, a militância petista-lulista-dilmista, extremamente aguerrida, conseguiu convencer muitos outros eleitores que estavam indecisos a votar em Dilma, garantindo a sua vitória, que seria algo virtualmente impossível sem o fundamental papel desempenhado por esta vasta militância espontânea, que tomou as ruas do país no segundo turno da campanha presidencial. 

Assim, a política de comunicação de um governo também exerce uma função muito importante, também, pelo fato de dar 'armas', 'munição', ou seja, argumentos para aqueles que o defendem e o apoiam, mesmo que com críticas ou ressalvas. 

Afinal, nenhum General vence uma guerra sozinho. Se ele não tiver soldados bem preparados e, principalmente, motivados, a derrota é certa. E a grande batalha que se trava, atualmente, nas sociedades contemporâneas é a 'Batalha da Comunicação'. 

Como dizia Chacrinha, o Velho Guerreiro, 'quem não se comunica, se trumbica!'.

Portanto, ou Dilma parte para a ofensiva e passa a se comunicar intensamente com a população, esclarecendo suas medidas, respondendo às criticas e divulgando as suas realizações, ou então as chances de um processo de Impeachment vir a ser vitorioso irão crescer bastante nos próximos meses. 

Quem viver, verá.

Acorda, Dilma!


Links:

Silêncio de Dilma explica impopularidade:

http://www.brasil247.com/pt/247/poder/169391/PML-sil%C3%AAncio-de-Dilma-explica-impopularidade.htm

Fernando Brito: O preço do silêncio

http://tijolaco.com.br/blog/?p=24632

Crises derrubam popularidade de Dilma, Alckmin e Haddad:

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/02/1586836-corrupcao-em-estatal-e-crise-economica-fazem-popularidade-de-dilma-despencar.shtml

Petrobras supera a Exxon e se torna a empresa de petróleo de capital aberto número 1 do Mundo

http://www.brasil247.com/pt/247/relacoes_com_investidores/166003/Petrobras-supera-Exxon-e-vira-a-n%C3%BAmero-1-do-mundo.htm

Nenhum comentário: