domingo, 12 de julho de 2015

Governo Dilma precisa beneficiar aos mais pobres para se recuperar politicamente e promover a retomada do crescimento econômico! - Marcos Doniseti!

Governo Dilma precisa beneficiar aos mais pobres para se recuperar politicamente e promover a retomada do crescimento econômico! - Marcos Doniseti!
Dilma tem que sinalizar aos mais pobres e à massa trabalhadora que o seu governo continua comprometido com a melhoria das suas condições de vida. Somente assim será possível recuperar a popularidade e se fortalecer politicamente.
1) A economia brasileira irá se recuperar:

A ofensiva diplomática internacional de Dilma, as concessões de infra estrutura no valor de quase R$ 200 bilhões, o Plano Safra do agronegócio e da agricultura familiar para 2015/2016, o aumento das exportações de petróleo, a desvalorização do Real (que já promoveu a volta do superávit comercial), o Minha Casa Minha Vida 3, o ajuste fiscal, o incentivo às exportações, criarão as condições para a retomada do crescimento econômico. Para o pacote ficar completo é preciso, agora, tomar medidas para estimular o setor industrial e recuperar a Construção Civil;

2) Pesquisa Ibope mostra empate entre Lula e Alckmin:

Até os marcianos sabem que Alckmin será o candidato do PSDB à Presidência da República em 2018. 

E se neste momento de maiores dificuldades do governo Dilma, segundo pesquisa Ibope, Alckmin tem 40% e Lula 39%, então isso é uma vitória quase garantida para Lula em 2018, quando a situação do país estará bem melhor e o ajuste econômico já será algo do passado. Mas os dados dessa pesquisa significam mais uma coisa: O bombardeio contra Lula continuará intenso até 2018;

3) Dilma precisa começar uma ofensiva interna, viajando pelo país, participando de vistorias em obras que estão sendo feitas pelo seu governo em usinas hidrelétricas, ferrovias, rodovias, Transposição do Rio São Francisco, inaugurando casas do MCMV (estas acontecem quase todas as semanas, pelo país inteiro). Ela estará mostrando para todos que o país não está parado. 

Além disso, Dilma precisa adotar um discurso otimista, ressaltando que as dificuldades atuais são temporárias e que o país voltará a crescer em breve.

Isso irá reaproximá-la do 'povão' trabalhador que a reelegeu e que está sujeito às mentiras e manipulações midiáticas e que ocorrem nas redes sociais (tipo 'confisco da poupança' e 'suicídio de Dilma'). 
Dilma tem que participar de vistorias e inaugurações de obras, como as do Minha Casa Minha Vida, que acontecem com grande frequência. 
4) Seria interessante Dilma tomar alguma medida para beneficiar a massa trabalhadora que a reelegeu e cobrar um sacrifício maior de quem ganha mais. 

Neste sentido, tenho duas sugestões a apresentar, que são:

A) Imposto de Renda:

Aumentar a faixa de isentos que pagam Imposto de Renda em, pelo menos, 20%, já para 2016, elevando o valor de isenção para cerca de R$ 2.300,00. Quem ganhasse até esse valor não pagaria nada de IR. Isso beneficiaria milhões de trabalhadores de menor renda, pois 72% dos brasileiros ganham até 3 salários mínimos, segundo o IBGE.

E daí o governo Dilma poderia criar uma nova alíquota (de uns 32,5% ou 35%) apenas para quem ganha mais de 10 salários mínimos mensais (R$ 7.880,00 atualmente). 

Assim, Dilma estaria beneficiando aos mais pobres que votaram nela e, ao mesmo tempo, cobraria um sacrifício maior de quem ganha mais (e que votou na oposição... rs). 

B) Salário Mínimo:

Outra medida que poderia vir a ser tomada, seria conceder um reajuste maior para o Salário Mínimo para os anos de 2016 e 2017. 

Segundo a LDO deste ano, o salário mínimo subirá para R$ 854 em 2016. Dilma poderia conceder um reajuste maior, para uns R$ 900 em 2016 e para R$ 1000 em 2017.

Isso sinalizaria aos mais pobres que o governo Dilma não esqueceu deles, como a oposição fala desde que as medidas do ajuste econômico começaram a ser adotadas.

5) Recuperação Econômica e Fortalecimento Político:

Além disso tais reajustes (da tabela do IR e do Salário Mínimo) estimulariam o consumo interno e iriam colaborar para a retomada do crescimento econômico, pois quem ganha até 3 salários mínimos gasta tudo o que ganha em consumo (alimentos, roupas, móveis, calçados, etc). 

Sem esta sinalização aos mais pobres, mostrando que eles não foram abandonados pelo governo Dilma, a recuperação da popularidade dela será bem mais demorada, o que irá contribuir para a continuidade e o fortalecimento da ofensiva golpista contra o seu governo, que será violentamente atacado até 2018.

Um governo mais popular deixaria a oposição numa situação bem mais difícil, pois ela estaria atacando um governo que teria grande apoio popular entre os mais pobres. 
Obras da Usina Hidreletrica de Belo Monte, que será a quarta maior do mundo.
Só para lembrar: Foi em função da imensa popularidade de Lula entre os pobres que impediu a oposição de, em 2005, pedir o seu Impeachment. Eles não o fizeram porque temiam a reação dos pobres caso Lula fosse tirado da Presidência da República. Este fato foi reconhecido em entrevista concedida, na época, pelo Tasso Jereissati.

Além disso, o aumento do consumo popular, por meio destas medidas, faria com que a retomada da economia começasse antes e fosse mais forte, o que iria levar a uma recuperação na arrecadação de impostos, contribuindo para a execução do ajuste fiscal, que é amargo, mas que é necessário. Porém, com um PIB em queda, o ajuste fiscal fica praticamente inviabilizado, devido à queda da atividade econômica, que reduz a arrecadação de impostos.. 

Então, medidas que beneficiassem aos mais pobres promoveriam inúmeros benefícios (políticos, econômicos, sociais) ao governo Dilma. 

Ela só teria a ganhar com as mesmas.   

Link:

Eduardo Guimarães: ibope revela que PSDB lucrou pouco com massacre ao PT:

http://www.blogdacidadania.com.br/2015/07/ibope-revela-que-psdb-lucrou-pouco-com-massacre-do-pt/

Nenhum comentário: