quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Portugal: Diálogo entre coligação de Direita e PSP chega a um impasse e país caminha para ter governo de Esquerda progressista! - Marcos Doniseti!

Portugal: Diálogo entre coligação de Direita e PSP chega a um impasse e país caminha para ter governo de Esquerda progressista! - Marcos Doniseti!

Passos Coelho (PSD) e Paulo Portas (CDS-PP) formaram uma coligação de Direita, em 2011, e governaram Portugal nos últimos quatro anos. Mas, agora, a mesma Direita que se coligou faz duras críticas às forças Progressistas (PSP, Bloco de Esquerda e CDU), pois estas caminham para, também, formar um governo de coalizão e, assim, passar a governar Portugal. Como se percebe, a Direita é hipócrita no mundo todo.

Bateu o desespero na Direita neoliberal portuguesa. O líder do atual governo do país, Passos Coelho (PSD), disse que não quer mais se reunir com os líderes do Partido Socialista (que foi o segundo mais votado na eleição para o Parlamento), pois entende que as reuniões estão sendo de 'faz de conta'.

De fato, percebe-se que Antônio Costa, líder do PS, não demonstra nenhuma vontade de fechar um acordo com a coligação direitista neoliberal (PSD/CDS-PP) que governa Portugal atualmente, pois ele tem um acordo praticamente fechado e concluído com os dois principais partidos da Esquerda lusa, que são o Bloco de Esquerda e a CDU (coligação que reúne o Partido Comunista e os Verdes).

Nas eleições para o Parlamento, o PS obteve 32,4% dos votos, o BE chegou aos 10,2% e a CDU atingiu 8,3%. Portanto, um governo formado pelas três forças progressistas de Portugal irá desfrutar de maioria absoluta no novo Parlamento, algo que a coligação da Direita Neoliberal não conseguiu, ficando muito longe dos 50% mais 1 necessários para isso.

Assim, Antônio Costa deverá liderar o novo governo português em uma coligação da qual farão parte o PSP, o BE (Bloco de Esquerda) e a CDU.

O mais curioso é ver Passos Coelho reclamando que foram eles, da Direita, que venceram as eleições. O problema é que isso é falso e por dois motivos:

1) A Coligação de Direita Neoliberal (PSD/CDS-PP) tinha a maioria absoluta no Parlamento anterior. Mas no novo Parlamento, eleito agora, isso já não acontece mais, pois a votação da coligação foi de apenas 38,6%;


Catarina Martins (líder do Bloco de Esquerda) e Jerónimo de Sousa (líder da CDU, coligação que reúne Comunistas e os Verdes) dialogam com o PSP (liderado por Antônio Costa) e há grandes chances de que Portugal venha a ter um governo progressista nos próximos quatro anos. As três principais forças da esquerda portuguesa concordam com a necessidade de se enterrar as políticas de austeridade, que aumentaram fortemente o desemprego, a pobreza e as desigualdades sociais no país desde o estouro da crise neoliberal global de 2008.

2) Enquanto isso, a votação somada do PSP, BE e CDU chegou a 50,9%, fazendo com que os 3 partidos, juntos, passassem a desfrutar de maioria absoluta no novo Parlamento português;

3) Da mesma forma que os principais partidos de Direita (PSD/CDS-PP) se uniram para viabilizar o atual governo, agora os partidos progressistas estão fazendo o mesmo. Se a Direita Conservadora pode se unir para governar Portugal, então porque as forças Progressistas não podem fazer o mesmo?

Como se percebe, a mentalidade autoritária e intransigente é algo que está presente nas forças direitistas do mundo inteiro.
Como disse o historiador português Álvaro Arranja:

"O comentário único vive mal com a realidade. Os factos dizem-nos que nunca a direita teve um resultado tão baixo. A coligação de direita perdeu a maioria absoluta. Perdeu cerca de 12 pontos percentuais. Perdeu mais de 730.000 votos. Perdeu 22 ou 23 deputados. Um elevado número muito de portugueses que votaram PSD ou CDS em 2011 (um em cada quatro), abandonou agora do voto à direita, manifestando uma condenação da governação do PSD-CDS e uma condenação das políticas de austeridade. A base de apoio da direita encolheu.".

Vai chorar na cama, que é lugar macio, Passos Coelho.


Antônio Costa, que lidera o PSP, deverá comandar um governo de coligação progressista que irá reunir os Socialistas, o Bloco de Esquerda e a CDU (coligação de Comunistas e Verdes).

Links:

Diálogo entre PSP e coligação de Direita chega a um impasse:

http://www.publico.pt/politica/noticia/ponto-final-diz-passos-que-nao-vai-reunir-mais-com-ps-para-fazer-de-conta-1711147

Portugal e a democracia limitada da Direita - por Álvaro Arranja:

http://www.esquerda.net/opiniao/o-comentario-unico-e-democracia-limitada/39108


Derrota da Direita Neoliberal e crescimento das Esquerdas abriram janelas de esperança para o povo português: 
 
http://cartamaior.com.br/?%2FEditoria%2FInternacional%2FPortugal-Derrota-da-Direita-e-desafiador-quadro-politico%2F6%2F34707

Nenhum comentário: