domingo, 31 de janeiro de 2016

Veja como Macri entregou o controle do Estado argentino para as grandes corporações capitalistas! - Marcos Doniseti!

Veja como Macri entregou o controle do Estado argentino para as grandes corporações capitalistas! - Marcos Doniseti!

Macri, o Grupo Clarín e os Grandes Capitalistas: Tudo a Ver! 
Macri já assinou vários decretos que beneficiaram o Grupo Clarín e vários executivos da empresas foram nomeados para ocupar cargos em seu governo.
Vejam só como funcionam as coisas em governos neoliberais, como esse, do Mauricio Macri:

1) Macri venceu a eleição presidencial da Argentina com apoio total do Grupo Clarín e do Grande Capital internacional;

2) Agora, no governo, ele decidiu acabar com todos os subsídios, que reduziam o valor das tarifas de energia elétrica para a população do país;

3) Como resultado do fim dos subsídios, as tarifas de energia terão aumentos brutais, de até 600%;

4) Daí eu pesquiso na internet e descubro que as duas maiores empresas de distribuição de energia na Argentina são a Edenor e a Edesur, que são duas empresas privadas;

5) Agora, vejam isso: 

5.1) A Edesur pertence a ENEL, que é a maior empresa de energia da Itália e a 3a. maior da Europa. A Edesur atua nas áreas de geração, distribuição e transmissão de Energia; A ENEL atua em vários outros países da América Latina (Brasil, Chile, El Salvador, Colômbia, Peru, entre outros); 
Executivos de inúmeras corporações capitalistas, argentinas e internacionais, assumiram cargos importantes no governo de Macri, incluindo o Citibank e o HSBC. 
5.2) E a Edenor pertence a um grupo chamado Pampa Energia que, a partir de 01/02/2016, passará ao controle do... Grupo Clarín;

6) Macri assinou dois decretos que permitiram ao Grupo Clarín comprar 100% da empresa Nextel na Argentina;

7) Os cargos mais importantes do governo Macri foram ocupados por executivos originários de grandes grupos capitalistas, argentinos e internacionais, incluindo: Coca-Cola, Grupo Clarín, Shell, HSBC, JP Morgan, Citibank, Banco Galicia, Deutsche Bank, Telefónica, GM, Telecom, Techint e LAN;

8) Segundo o jornal 'Páginas/12', o aumento brutal das tarifas de energia irá diminuir o poder de compra dos mais pobres em até 13% e as tarifas de energia poderão subir até 750% para os setores industrial e comercial;

9) O ajuste econômico promovido pelo governo Macri irá gerar um brutal aumento da inflação, recessão e aumento do desemprego. Mas os lucros das grandes corporações capitalistas estão mais do que assegurados. 

Assim, os grandes capitalistas argentinos e estrangeiros que financiaram e apoiaram a campanha presidencial de Macri assumiram, literalmente, o controle do Estado argentino.

E é claro que o novo governo tomará todas as medidas necessárias para promover um aumento brutal dos lucros das grandes corporações privadas, como já está fazendo, por exemplo, ao eliminar os subsídios das tarifas de energia e aumentá-las de forma brutal.  

Macri colocou todo o Estado argentino sob o controle do Grande Capital privado argentino e internacional.

Agora deve estar bastante claro porque tais empresas apoiaram tanto a sua candidatura à Presidente da República, não é mesmo? 

Macri foi o instrumento usado pelas grandes corporações capitalistas para que elas pudessem passar a controlar o Estado argentino.

Simples assim. 

Links:

Ajuste econômico de Macri irá provocar forte aumento da inflação, recessão e crescimento do desemprego:

http://www.pagina12.com.ar/diario/elpais/1-291495-2016-01-31.html

Grupo Clarín compra Nextel:

http://www.laarena.com.ar/el_pais-el_grupo_clarin_ya_es_dueno_de_nextel-154681-113.html

ENEL, empresa italiana, é a proprietária da Edesur:

https://es.wikipedia.org/wiki/Empresa_Distribuidora_Sur_Sociedad_An%C3%B3nima

A ENEL e a Edesur:


http://www.edesur.com.ar/masedesur/conoceenel.aspx

Macri assinou decretos que beneficiaram o Grupo Clarín, para que este pudesse comprar a Nextel na Argentina: 

http://www.pagina12.com.ar/diario/economia/2-291383-2016-01-29.html


Executivos de grandes grupos privados assumiram os cargos mais importantes do governo Macri:

Nenhum comentário: