sábado, 26 de março de 2016

Ajuste econômico já foi feito e Brasil reúne todas as condições para retomar o crescimento! - Marcos Doniseti!

Ajuste econômico já foi feito e Brasil reúne todas as condições para retomar o crescimento! - Marcos Doniseti!
Reservas internacionais líquidas do Brasil, atualmente, são de US$ 373,2 bilhões, superando em US$ 42,5 bilhões a dívida externa total do país. Assim, atualmente o Brasil é Credor Externo Líquido. 
Tombini: Inflação converge para o centro da meta (4,5% a.a) já em 2017! 

A declaração do presidente do Banco Central, de que a inflação de 2017 já estará no centro da meta (4,5% ao ano) novamente, comprova algo que venho dizendo já há algum tempo, que é o fato de que o ajuste da economia já foi realizado e que, agora, o Brasil tem todas as condições, econômicas e financeiras, para retomar um processo de crescimento sustentado. 

E o próprio mercado financeiro (boletim Focus) estima que teremos uma taxa de inflação de 7% em 2016, bem abaixo dos 10,67% de 2015 (IPCA).

Isso confirma o que eu já estou falando há um bom tempo: a economia brasileira caminha para a normalização, o que permitirá a retomada do crescimento econômico do país.  

Senão, vejamos:

1) Inflação desabando em 2016 e em 2017:

Inflação deverá ficar em torno de 7% em 2016 e em 4,5% em 2017, bem abaixo dos 10,67% em 2015. A inflação de 2015 foi provocada, essencialmente, pela seca, (que forçou a elevação das tarifas de energia), o ajuste dos preços dos combustíveis e, principalmente, pela maxidesvalorização do Real, que elevou os custos dos produtos importados, pressionando os preços internos. 

A inflação de 2015 foi, assim, uma inflação provocada por aumento de custos e não por aumento de demanda que, de fato, diminuiu no ano passado. 

Agora, a seca acabou, os preços dos combustíveis já foram ajustados e os efeitos da maxidesvalorização do Real já foram absorvidos pela economia brasileira, reduzindo fortemente as pressões inflacionárias no país. 
Inflação (IPCA) ficou dentro da meta entre 2004 e 2014 (11 anos consecutivos). Somente em 2015 é que ela superou o teto da meta, em função de vários fatores (seca, maxidesvalorização do Real, ajuste tarifário) que não irão se repetir em 2016 e em 2017, o que provocará uma queda substancial da inflação neste e no próximo ano. 
Isso já ficou claro no IPCA-15 de Março de 2016, que foi de 0,43%, contra uma taxa de 1,24% para o mesmo mês de 2015. A estimativa para a inflação deste ano é de 7%, bem inferior aos 10,67% de 2015. 

2) Redução dos Juros (Selic) poderá ter início já neste ano: 

Com a queda da inflação prevista para 2016 e para 2017, a taxa de juros (Selic) poderá começar a ser reduzida, contribuindo para o processo de retomada do crescimento econômico. Muito provavelmente essa redução deverá começar no segundo semestre deste ano;

3) Fim da pior seca em 80 anos: 

A seca, que atingiu com força o Nordeste e o Sudeste nos últimos anos, terminou. As chuvas voltaram com força e o nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas aumentou bastante. 

Com isso, as termelétricas começaram a ser desligadas (cujo custo de geração é muito maior do que o das hidrelétricas, o que provocou um forte aumento nas tarifas de energia) e a tarifa de energia elétrica também já começou a ser reduzida;

4) Tarifas de energia mais baratas: Tarifas de energia mais baratas também irão contribuir para aumentar o consumo e os investimentos, ajudando na retomada do crescimento econômico. 

Afinal, consumidores (pessoas físicas e empresas) gastarão menos com energia, sobrando mais dinheiro para consumir e investir. Isso representa o fim da inflação de custos que tivemos em 2015;
Evolução do Salário Mínimo Real: Gráfico mostra que tivemos um crescimento expressivo do seu poder de compra entre 2003 e 2016. 
5) Déficit Externo desabando 72,5% em 2016: 

O déficit externo desabou nos últimos dois anos. Ele foi de US$ 90,9 bilhões em 2014 e em 2015 o   mesmo chegou a US$ 58,9 bilhões. A previsão para 2016 é de um déficit externo de apenas US$ 25 bilhões. 

Logo, o déficit externo acumulará uma queda de 72,5% em apenas dois anos. 

A combinação de volta dos grandes superávits comerciais, queda dos gastos de turistas brasileiros no exterior, redução de remessa de lucros e substituição de importações pela produção nacional provocou essa queda expressiva do déficit externo. 

As contas externas fecharam fevereiro de 2016 com déficit de US$ 1,919 bilhão, de acordo com o Banco Central. Para se ter uma ideia melhor da dimensão da queda do déficit externo, basta dizer que em Fevereiro de 2015 o mesmo tinha sido de US$ 6,9 bilhões. 

Assim, em apenas um ano o déficit externo desabou 72,5%. 

Portanto, em pouco mais de um ano o Brasil fez o ajuste das contas externas;  
Desembolsos do BNDES para os setores produtivos da economia geram milhões de empregos no Brasil. Ele é o único banco que financia investimentos produtivos de grande porte e de longo prazo, que demoram para começar a dar lucro. Se depender dos golpistas fascistas, o BNDES será privatizado, junto com a Petrobras, a CEF e a Petrobras. E quem passará a financiar investimentos produtivos de grande porte no Brasil? Papai Noel, é claro...
6) Retorno dos elevados Superávits Comerciais (US$ 50 bilhões previstos para 2016):

Em 2014, o Brasil teve um déficit comercial de US$ 3,9 bilhões. Em 2015, o superávit comercial alcançou os US$ 19,7 bilhões. As previsões para 2016 são de um superávit comercial de, no mínimo, US$ 40 bilhões. Mas segundo a AEB (Associação de Comércio Exterior do Brasil) o superávit comercial poderá chegar a US$ 50 bilhões em 2016;

7) Fim da seca, redução das tarifas de energia, queda da inflação, redução dos juros, diminuição significativa do déficit externo e superávits comerciais expressivos: Essa combinação de resultados irá criar as condições para a retomada do crescimento econômico brasileiro, muito provavelmente já a partir do segundo semestre de 2016.

Assim, em pouco mais de um ano o governo Dilma fez o ajuste da economia brasileira;
Investimentos externos produtivos (IED) no Brasil são muito expressivos, sendo que o país é um dos maiores destinos deles no mundo todo. E em 2016 isso não mudou. Somente em Fevereiro deste ano ingressaram US$ 5,9 bilhões em IED no Brasil. 
8) IED permanecerão elevados em (US$ 60 bilhões em 2016): Os investimentos externos produtivos (IED) continuam sendo muito expressivos no Brasil. Apenas em Fevereiro eles alcançaram os US$ 5,9 bilhões. No ano passado eles foram de US$ 75 bilhões. Para 2016, a estimativa do Banco Central é de US$ 60 bilhões, mas os números de Fevereiro foram maiores do que o BC esperava e pode ser que o acumulado do ano supere as estimativas do mesmo; 

9) Reservas Internacionais superam a Dívida Externa em US$ 42,5 bilhões: Brasil é Credor Externo Líquido! 

E o melhor de tudo é que isso foi feito com a preservação das elevadas reservas internacionais do país, que são de US$ 373,2 bilhões (dados de 23/03/2016). Tais reservas são suficientes para pagar toda a dívida externa do país, que é de US$ 330,7 bilhões. Assim, o Brasil é credor externo líquido em US$ 42,5 bilhões.

Agora, precisamos de medidas econômicas que estimulem os investimentos produtivos e o consumo novamente (mais crédito, mais investimentos públicos em infra-estrutura e na área social, aumentos de salários, reforma tributária progressiva). 
Entre 2008 e 2013 o Brasil acumulou um crescimento econômico inferior apenas ao de China e Índia, entre as grandes economias mundiais. Com o ajuste econômico que foi realizado, principalmente em 2015, o país tem todas as condições, econômicas e financeiras, para retomar o crescimento.  
Desta maneira, a economia brasileira voltará a crescer. E com a volta do crescimento econômico, o ajuste das contas públicas também irá acontecer, pois a retomada econômica irá elevar a arrecadação de impostos. 

10) Resumindo a situação da economia brasileira para 2016:

1) Inflação de 7%;
2) Juros (Selic) começando a diminuir;
3) Superávit Comercial de US$ 50 bilhões;
4) Déficit Externo caindo 72,5% em relação a 2015;
5) Redução das tarifas de Energia;
6) Reservas Internacionais Líquidas superando a Dívida Externa Bruta em US$ 42,5 bilhões;
7) Investimentos Externos Produtivos de US$ 60 bilhões;

Portanto, ao contrário da ideia que a Grande Mídia tenta transmitir aos brasileiros, o Brasil está com uma situação econômica e financeira muito boa e possui todas as condições para retomar o crescimento econômico e isso poderá começar a acontecer muito brevemente. 

Mas para que isso aconteça será fundamental derrotar a tentativa de Golpe de Estado contra o governo Dilma. Com isso, o Brasil poderá voltar a desfrutar de um mínimo de estabilidade política, o que fará com que investidores e consumidores recuperem a confiança na economia do país. 

E o governo Dilma, se for vitorioso na Batalha contra o Golpe de Estado reacionário e fascista, terá que agir no sentido de estimular os investimentos produtivos e o consumo novamente. 
Número de passageiros de avião teve um grande crescimento no Brasil durante os governos Lula e Dilma, acumulando uma expansão de 196,4% quando se compara Dezembro de 2013 com Dezembro de 2004. Com o ajuste econômico que já foi realizado pelo governo Dilma, o país poderá continuar com esse crescimento. Mas para isso é fundamental derrotar o Golpe de Estado reacionário e fascista que é comandado por políticos denunciados pela Justiça e que desejam encerrar todas as investigações que são feitas contra eles atualmente.
Links: 

Inflação convergirá para o centro da meta (4,5%) em 2017, diz Tombini:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-03/presidente-do-bc-diz-que-inflacao-converge-para-45-em-2017

Inflação oficial (IPCA) de 2015 foi de 10,67%:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-01/ipca-inflacao-oficial-fecha-2015-em-maior-alta-desde

Mercado financeiro estima inflação de 7% para 2016:

http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/economia/noticia/2016/01/mercado-financeiro-preve-inflacao-de-7-em-2016-4954256.html

IPCA-15 (prévia da inflação oficial) fechou em 0,43% em Março de 2016, menor taxa para o mês desde 2012:

http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2016/03/23/internas_economia,746468/ipca-15-de-marco-fica-em-0-43-ante-1-42-em-fevereiro-aponta-ibge.shtml

Déficit Externo em 2014 foi de US$ 90,9 bilhões:

http://br.reuters.com/article/topNews/idBRKBN0KW1HY20150123

Banco Central estima que Déficit Externo cairá para apenas US$ 25 bilhões em 2016; BC diz que Superávit comercial deverá chegar a US$ 40 bilhões em 2016:

http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2016/03/23/internas_economia,746535/bc-reduz-projecao-do-deficit-no-setor-externo-de-2016-de-us-41-bi-par.shtml

Déficit Externo de Fevereiro de 2015 foi de US$ 6,9 bilhões:

http://oglobo.globo.com/economia/negocios/transacoes-do-brasil-com-exterior-tem-deficit-de-us-69-bi-em-fevereiro-15682621

Déficit externo foi de apenas US$ 1,9 bilhão em Fevereiro de 2016 (queda de 72,5% em relação ao mesmo mês de 2015): 

http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2016/03/23/internas_economia,746515/setor-externo-tem-em-fevereiro-deficit-de-us-1-9-bi-menor-desde-agos.shtml

Superávit comercial em 2015 chegou a US$ 19,7 bilhões em 2015, melhor saldo em 4 anos:

http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/01/com-alta-de-importacoes-balanca-tem-em-2015-melhor-saldo-em-4-anos.html

AEB (Associação de Comércio Exterior do Brasil) estima que superávit comercial de 2016 poderá atingir os US$ 50 bilhões: 

http://economia.estadao.com.br/blogs/fernando-dantas/superavit-comercial-de-us-50-bi/

Reservas internacionais do Brasil estão em US$ 373,2 bilhões: 

https://www.bcb.gov.br/?RP20160323

Dívida Externa Bruta brasileira é de US$ 330,7 bilhões; Investimentos Externos Produtivos (IED) ficaram em US$ 5,9 bilhões apenas em Fevereiro:

http://www.bcb.gov.br/?ECOIMPEXT

Brasil atraiu US$ 75 bilhões em investimentos externos produtivos (IED) em 2015; Em 2016 os investimentos deverá ficar em US$ 60 bilhões:

http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2016/01/economia-do-brasil-atraiu-us-75-bi-em-investimento-estrangeiro-em-2015

Criação de empresas foi recorde em Janeiro:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-03/puxada-por-microempreendedor-criacao-de-empresas-bate-recorde-em-janeiro

Gastos de turistas brasileiros no exterior caíram 43,5% em Fevereiro 2016:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-03/gastos-de-brasileiros-no-exterior-caem-435-em-fevereiro

Índice de Confiança da Indústria cresceu 1,1% em Março:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-03/indice-de-confianca-da-industria-sinaliza-alta-em-previa-de-marco

Chuva aumenta e tarifa de energia começará a cair, diz presidente da EPE:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-03/chuva-aumenta-e-deve-reduzir-contas-de-luz-diz-especialista

Governo Federal enviará projeto para renegociar de estados e do Distrito Federal com a União:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-03/governo-envia-ate-amanha-projeto-para-renegociar-divida-dos-estados

Nenhum comentário: