quinta-feira, 1 de setembro de 2016

As consequências do Golpe para a economia brasileira! - Marcos Doniseti!

As consequências do Golpe para a economia brasileira! - Marcos Doniseti!
A Dívida Pública Líquida dobrou durante o governo FHC (passou de 30% para 60,4% do PIB). E a mesma voltou a diminuir somente a partir do governo Lula, terminando 2014 em 34,9% do PIB. Agora, com o irresponsável aumento de gastos que o governo Temer está promovendo, a dívida pública está voltando a crescer.
Vejam algumas consequências deste Golpe de Estado, que começou a ser articulado e levado adiante logo depois de Dilma ter vencido a eleição presidencial de 2014:

1) O PIB do Brasil caiu 3,8% no 2o. trimestre de 2016, em relação ao mesmo período de 2015;

2) O PIB do Brasil caiu 4,6% no acumulado de 2016 (até Julho);

3) O PIB do Brasil caiu 4,9% no acumulado dos últimos 12 meses (Agosto/2015 a Julho/2016);

4) O Déficit Primário bateu recorde histórico para os meses de Julho (foi de R$ 12,8 bilhões);

5) No acumulado de 12 meses (Agosto/2015 a Julho/2016) o Déficit Primário ficou em R$ 154 bilhões (2,54% do PIB);

6) No acumulado de 12 meses (Agosto/2015 a Julho/2016) os gastos com Juros da Dívida Pública foram de R$ 427 bilhões (7,04% do PIB);

7) No acumulado de 12 meses (Agosto/2015 a Julho/2016) o Déficit Público Nominal ficou em R$ 581 bilhões (9,58% do PIB);

8) No segundo trimestre de 2016 a taxa de desemprego fechou em 11,3%, contra 8,3% no mesmo período de 2015 (nova metodologia do IBGE).

9) É bom esclarecer que antes do movimento golpista ter início, no final de 2014, estes números eram bem melhores. O desemprego, por exemplo, atingiu o menor nível da história em Dezembro de 2014, ficando em 4,3% (pela antiga metodologia do IBGE). E a taxa média anual ficou em 4,8% em 2014, também a menor da história. 
As reservas internacionais brasileiras tiveram um crescimento expressivo durante os governos Lula e Dilma, passando de US$ 16 bilhões (2002) para US$ 376 bilhões (2015).
Foi o Golpe promovido pela Grande Mídia, pela oposição derrotada em 2014, por políticos investigados por inúmeras irregularidades e por uma classe empresarial que deseja eliminar direitos sociais, trabalhistas e previdenciários que jogou o país nesta crise.

E esta crise irá piorar, pois as medidas que o governo Temer irá tomar são todas recessivas: arrocho salarial, valorização do Real (o que encarece as exportações e barateia as importações), corte de investimentos públicos, redução de investimentos sociais, aumento da taxa real de Juros.

Nenhuma destas medidas irá estimular a atividade econômica, muito pelo contrário. 

Todas estas medidas que o governo Temer irá adotar são recessivas, pois desestimulam os investimentos e reduzem o consumo. 

Mas a maioria dos brasileiros ainda não percebeu o que está sendo planejado, pois a Grande Mídia esconde a realidade da população, tentando convencê-la de que tais medidas serão benéficas ao país, o que é uma deslavada mentira. 

Tais medidas irão aprofundar e agravar a recessão no Brasil nos próximos dois anos de governo Temer. Não se surpreendam se ocorrer algum tipo de convulsão social no país até o final de 2018. 

Assim, as perspectivas para o Brasil, no futuro próximo, são as piores possíveis.
A taxa de desemprego despencou no Brasil durante os governos de Lula e Dilma, terminando 2014 com uma taxa de 4,3% (Dezembro de 2014), a menor da história. 
Link:

Taxa de desemprego atingiu o menor patamar da história em 2014: 


Banco Central - Contas públicas do mês de Julho de 2016:


Governo Temer: Dívida Pública aumenta e pode chegar a 85% do PIB:


PIB do Brasil despenca 3,8% no 2o. trimestre, em relação ao mesmo período de 2016:


Taxa de Desemprego sobe de 8,3% para 11,3% em apenas um ano: 

Nenhum comentário: