sábado, 22 de outubro de 2016

O Brasil virou um Paraguaizão! Peçam para sair, vocês fracassaram! - Marcos Doniseti!

O Brasil virou um Paraguaizão! Peçam para sair, vocês fracassaram! - Marcos Doniseti! 
PIB do Brasil despencou 5% no acumulado de 2016 (Janeiro e Agosto). Comparando Agosto/2016 com Agosto/2015, a queda é ainda maior, de 5,5%. Isso já é uma Depressão Econômica.

Vamos falar claramente: O Brasil virou um Paraguaizão, uma gigantesca Casa da Mãe Joana, uma terra de ninguém, onde muitos gritam ao mesmo tempo e ninguém se entende. 


Não é à toa que o governo e os empresários japoneses avisaram Temer de que o Brasil não irá receber um mísero centavo de investimento produtivo por muitos anos. 

Esse é o preço que estamos pagando por um Golpe de Estado que jogou a Constituição na lata de lixo, que desmoralizou as instituições, que destruiu algumas das maiores empresas do país (as construtoras, que são competitivas globalmente) e que jogou o país numa Depressão econômica: O PIB brasileiro despencou 5% entre Janeiro e Agosto deste ano e desabou 5,5% nos últimos 12 meses (período de Setembro/2015 a Agosto/2016). 

A indústria brasileira está com uma capacidade ociosa de 34%. A indústria automobilística tem capacidade para produzir 6 milhões de veículos e irá produzir apenas 2,5 milhões em 2016 (capacidade ociosa de 58%). E a indústria automobilística, sozinha, responde por 25% do PIB industrial brasileiro. 
Com as políticas de inclusão social e de distribuição de renda adotadas pelos governos Lula e Dilma, o número de passageiros de avião teve um crescimento explosivo, passando de 2,8 milhões em Dezembro de 2014 para 8,3 milhões em Dezembro de 2013 (expansão de 196,4%).

Isso significa que mesmo que ocorresse uma retomada da economia, os investimentos produtivos demorariam a voltar, pois em primeiro lugar as empresas iriam usar a sua capacidade ociosa, que é imensa. Depois, colocariam os trabalhadores para fazer horas extras. Somente depois, se o crescimento continuasse, é que os investimentos produtivos seriam feitos e novas contratações seriam efetivadas. 


E sem investimento produtivo, não há crescimento econômico. E sem crescimento econômico não temos geração de empregos, nem mais salários, tampouco mais consumo, a arrecadação de impostos não cresce e, com isso, o déficit e a dívida públicas continuam aumentando, até que isso provoque a falência do Estado brasileiro.

E não se pode esquecer que as exportações brasileiras estão diminuindo (queda de 4,8% no acumulado de 2016), o comércio varejista está desabando (queda de 7,7% em Agosto), a renda da população está diminuindo e o desemprego está crescendo rapidamente. 

A economia mundial está em crise e deverá crescer cerca de 2,7% nos próximos anos, segundo o FMI. Na verdade, se tirarmos a China e a Índia destas estatísticas, a economia mundial está com crescimento próximo de Zero. O cenário da economia mundial é, portanto, de estagnação. O comércio internacional também estagnou já há vários anos.

Não é à toa que o preço do barril de petróleo e de inúmeras outras commodities desabou desde o início da crise global (2008), o que jogou todos os países exportadores das mesmas numa grave crise (Brasil incluído, bem como Oriente Médio, América Latina e África). 
O Brasil terminou 2014 com a menor taxa de desemprego de sua história (4,3%). Depois veio o movimento golpista, que jogou o país na pior Recessão de todos os tempos e que já se transformou em uma Depressão Econômica, com o PIB brasileiro acumulando uma queda de 5,5% entre Setembro de 2015 e Agosto de 2016.

Até 'O Globo' fez uma matéria reconhecendo que não haverá crescimento econômico algum no Brasil nos próximos anos e que a solução é rezar. Isso mesmo...


Mas até o crescimento voltar (???), o desemprego, a pobreza, a miséria irão aumentar muito no país nos próximos anos, correndo o sério risco estourar uma convulsão social. 

E agora, o que os governantes atuais do país irão fazer?

Sugiro que reconheçam o seu total fracasso e que saiam de cena e devolvam o poder a quem tem o direito de governar, que é Dilma. Se bem que, neste caso, o ideal seria que a própria Dilma tomasse a iniciativa de convocar uma Constituinte e novas Eleições Gerais Já. 

Ou então, os próprios governantes deveriam convocar eleições gerais diretas já (para Presidência da República e Congresso Nacional), permitindo que o povo eleja um novo governo e um novo Parlamento, com legitimidade para governar o nosso país.

Além disso, é necessário uma nova Constituinte, que dê ao país um sistema político que funcione, bem como ampliar os poderes do Presidente da República, a fim de impedir que ele se torne um mero refém dos interesses pessoais e paroquiais dos parlamentares (Senadores e Deputados Federais). 

Afinal, se é para elegermos um Presidente da República para que ele governe o país, então ele tem que ter os poderes necessários para isso, o que não acontece atualmente. 

Outra solução seria implantar o Parlamentarismo logo de uma vez (a Constituição de 1988 já é Parlamentarista), depois de se fazer uma Reforma Política que reduza drasticamente o número de partidos com representação no Legislativo, a fim de permitir um mínimo de estabilidade política ao país e se exija que os partidos passem a governar com base em um programa de governo previamente aprovado em eleições diretas. 

E se tal partido jogasse o programa de governo no lixo, depois que chegasse ao poder, seria convocado um Referendo Revogatório para tirá-lo do poder. Afinal, quem engana a população não merece governar. 

Estelionato eleitoral tem que ser criminalizado e deve ser considerado como um fator que permita a derrubada deste governo liderado por mentirosos, enganadores e manipuladores (tal medida deveria valer independente de termos um sistema presidencialista ou parlamentarista). 

Com a manutenção do atual governo golpista, com suas políticas anti-nacionais e anti-populares, o futuro do país é trágico. A tendência é clara, no sentido de um rápido empobrecimento do país e da população para os próximos anos, com aumento brutal do desemprego, da pobreza e da miséria. 
A Dívida Pública Líquida do Brasil despencou durante os governos Lula e Dilma, caindo de 60,4% do PIB (2002) para 34,9% do PIB (2014). 
Como seria possível tirar o Brasil da crise atual??

Existem alternativas ao que o governo Temer pretende fazer para, supostamente, promover a retomada do crescimento econômico, que envolve medidas de arrocho salarial, eliminação de direitos sociais trabalhistas e previdenciários, privatizações maciças (Pré-Sal, bancos públicos, Petrobras, etc), adoção da terceirização generalizada, redução de investimentos públicos em infra estrutura e na área social? 

Claro que há alternativas. Sempre existem alternativas. 

Adotá-las ou não é uma questão política e não técnica  (econômica e financeira). 

O que poderia ser feito no Brasil, hoje, para tirar o país da crise, é o seguinte: 

1) Reforma Tributária Progressiva, tributando mais fortemente quem ganha mais e quem tem um patrimônio maior; 

2) Tributar os ganhos de capital, que ficaram isentos de pagar impostos a partir de 1995, devido à medida tomada por FHC; 

3) Usar os recursos obtidos por meio da tributação progressiva e sobre ganhos de capital para aumentar os investimentos públicos, principalmente em infra estrutura (energia, transportes, telecomunicações), a fim, de diminuir o custo de produção interna e elevar a produtividade da economia como um todo; 

4) Diminuir a tributação sobre a população de baixa renda, principalmente sobre aqueles que ganham até 3 salários mínimos mensais (79% dos brasileiros). 

Assim, o consumo interno iria se expandir, levando à retomada do crescimento econômico;

5) Fim das desonerações de impostos, usando os recursos arrecadados para se promover maiores investimentos em saúde, educação, saneamento básico, habitação e transporte coletivo, melhorando a qualidade de vida da população; 



6) Manter o dólar cotado num patamar entre R$ 3,50/R$ 3,80, a fim de estimular a substituição de importações pela produção nacional, aumentando a produção interna e gerando empregos no Brasil. 
O Salário Mínimo teve um aumento de 91,3% no seu poder de compra durante os governos Lula e Dilma, entre 2003-2016, passando de R$ 200 (2002) para R$ 880 (2016). Caso ele tivesse sido reajustado apenas pela inflação acumulada no período (de 130%), o valor atual do Salário Mínimo seria de apenas R$ 460.

7) Com a adoção desse conjunto de medidas, a economia brasileira retomaria o crescimento, gerando novos empregos, mais salários, maior consumo, criando-se um círculo virtuoso favorável ao crescimento econômico. E a arrecadação de impostos voltaria a aumentar, gerando a redução do déficit público (primário e nominal). 

E a crise terminaria. 

Mas a se julgar pelo que já foi anunciado, o governo Temer irá fazer exatamente o contrário de tudo o que precisaria ser feito para que o Brasil superasse a crise.

Fora Temer! Fora Golpistas! 

Eleições Gerais Diretas Já! Reforma Política Já! Nenhum Direito a Menos!

Links:

Economia brasileira não voltará a crescer:

http://oglobo.globo.com/economia/economia-continua-sem-forca-para-voltar-crescer-20329039

Corte de horas extras derrubou a renda dos trabalhadores:

http://www.brasil247.com/pt/247/economia/261668/Corte-de-horas-extras-preservou-vagas-mas-derrubou-a-renda-dos-trabalhadores.htm


Crise econômica se agrava no governo Temer:


PIB brasileiro sofre queda de 4,6% no 1o. semestre de 2016 (em relação ao mesmo período de 2015):


Queda do PIB atinge 5,5% no acumulado de 12 meses (Setembro/2015 a Agosto/2016):

http://noticias.r7.com/economia/folha-de-vitoria/previa-do-pib-cai-091-em-agosto-20102016
As reservas internacionais líquidas brasileiras aumentaram fortemente entre 2003-2014, passando de US$ 16 bilhões (2002) para US$ 379 bilhões (2014). Atualmente, elas são de US$ 376 bilhões. 
Indústria brasileira tem capacidade ociosa de 34%:

Governo e empresários do Japão deram bronca em Temer em função de prejuízos bilionários gerados pela operação Lava Jato e por Recessão:



O terceiro ajuste - O novo passo do Golpe (Sérgio Medeiros):


Aventura golpista isola o Brasil:


Pesquisa Vox Populi de Outubro de 2016:

O Brasil se tornou, durante os governos Lula-Dilma, um dos países que mais atrai investimentos estrangeiros produtivos no Mundo. Durante o período 2003-2015, o país recebeu quase US$ 552 bilhões em IED. 
Pedidos de recuperação judicial cresceram 69% em Setembro:

Vendas do comércio varejista caem 7,7% em Agosto (em relação ao mesmo mês de 2015):

Desembolsos do BNDES despencam 34% em 2016 (entre Janeiro e Setembro):

Dívida Pública Bruta atinge 70,1% do PIB em Agosto de 2016:
Eleonora de Lucena, jornalista da 'Folha', avisou que a Burguesia brasileira estava cometendo um grave erro ao querer derrubar Dilma mesmo que à custa de se provocar uma grave crise econômica e social. Mas o alerta não foi ouvido e, agora, o país mergulha na pior crise econômica da sua história e que já se transformou em uma Depressão econômica. 
Brasil teve a maior taxa de desemprego na América Latina no 1o. semestre de 2016:

Brasil fecha 2o. trimestre com desemprego de 11,3%:

Exportações brasileiras acumulam queda de 4,8% em 2016:

Economia da China cresce 6,7% no 3o. trimestre de 2016:
Roberto Amaral: A destruição da Segurança Jurídica:


Procura por crédito despenca 7,9% no Brasil:

Nenhum comentário: